O futuro não é mais como era antigamente…

A frase do título, conforme cantava Renato Russo, no seu Legião Urbana, evidencia algumas coisas, ao meu ver, que podem exemplificar o momento atual que vivemos…

a-escola-do-futuro-4-728

Basta que comparemos, por exemplo, a ficção científica, tanto em filmes quanto livros, do passado, com os atuais…

Fomos de sociedades com facilidades extremas de um simples apertar de botões, com direito a carros voadores, jet packs e coisas do tipo, para visões cataclísmicas… passando desde apocalipses naturais, até guerras atômicas que dizimam o planeta. Sem esquecer, é claro, as invasões alienígenas, com os apocalipses zumbis que voltaram à moda recentemente…

…ok, ok… o apocalipse zumbi não parece lá tão distante, vide o número crescente de acéfalos que dominam as mídias, a “cultura” e tentam se apropriar do senso comum…

Mas, minha proposta é outra ao escrever isto. É tentar resgatar uma visão construtivista de futuro. A crítica diária já é ferrenha e, com ela, conseguimos evidenciar o tamanho de coisas erradas que vemos. Aliás, são óbvias as coisas erradas. Mas, como dizia o sábio:

bertolt_brecht_que_tempos_sao_estes_ol

Pois então…

Assim, podemos ponderar que as obviedades atuais estão longe de nos apontar um futuro digno… muito menos um entusiasmante. Tenho visto que os mais otimistas, projetam um futuro bem distante, onde o aprendizado atual, vulgo ‘quantidade de merda praticada’, nos dará bases a cenários onde não voltaremos a incorrer nas mesmas cagadas premissas erradas de pensamento…

frase-paremos-de-indagar-o-que-o-futuro-nos-reserva-e-recebamos-como-um-presente-o-que-quer-que-nos-traga-heraclito-103156

Ok. Aí me interessa…

Acho que um padrão pode ser reconhecido: temos nos baseado pelo passado para tentar projetar um futuro. Ou seja, comparamos a tudo o que já ocorreu, citamos pensadores antigos e que sequer estão vivos para presenciar o cenário atual ou mesmo poder compará-lo com suas obras, até, ideologias seculares e poeirentas que ainda são exaltadas mesmo que em nenhum caso elas tenham sido bem sucedidas.

Funcionam como antíteses umas das outras, criando um emaranhado de pensamentos antagônicos entre si, sem que se proponha nada de novo, de atual, que tenha foco na realidade atual, com o povo e a mentalidade atual, por exemplo.

o-passado-esta-na-tua-cabeca-o-futuro-nas-tuas

Claro que para entender alguns padrões, tem-se que recorrer ao passado. Às origens das coisas e como elas se desenvolveram até o momento atual. E era isso. De resto, teremos que identificar que há a enorme necessidade de se criar algo novo. De modificarmos o marasmo atual e a pouca diversidade de ideias que nos encaixota o pensamento.

Temos as falácias de autoridade, por exemplo, praticadas quando citamos pessoas de grande apelo, para embasarmos nossas próprias ideias. Como se tivéssemos que nos validar não por nós mesmos, mas, apenas quando equiparamos nosso pensar a algum baluarte de alguma coisa. E, PARA MIM, tá aí o erro básico.

Não estou eu aqui dizendo, de forma alguma, que devamos deixar de lado esses pensadores. Apenas acho que eles fazem parte do arcabouço de conhecimento de cada um. Ou seja, eles nos municiam de itens de pensamento. Eles nos instigam a pensar. A nos modificarmos nas formas estanques em que nossas mentes se encontram. E, a cada ideia nova, passamos a ser novas pessoas, com novas perspectivas e com novos desafios a percorrer. É disso que eu acho que se trata a coisa. E não que devamos nos validar por eles. Citá-los para exemplificar algo, sim. Chancelar nossas ideias por outras, mesmo que seja por senso comum, não.

Não é porque um autor, dez, cem ou milhares, concordam acerca de um assunto que este passa a ser imutável, insofismável ou mesmo que, mais adiante, com novos elementos, técnicas, tecnologias, et cetera, não possam ser refutados por termos mais bases de ponderação.

A verdade absoluta de hoje pode ser derrubada amanhã. Basta que paremos de encará-las como absolutas. Não por relativismo moral, ou, no intento de derrubar uma tese simplesmente por derrubá-la, ou validar nossa ideia sobre a simples desconstrução de outra. Mas sim, pela necessidade de criar algo novo e melhor. E isso é ESSENCIAL!!! A criação de algo melhor para substituir o anterior… se não for, pelo menos um pouco melhor, deixa como está. Afinal, tem aquele outro sábio que dizia:

nada é tão ruim que não possa piorar

Quem me lê, tanto por aqui, quanto pelo que falo no Facebook, sabe da minha ranzinzice com o momento atual. Noto a pobreza intelectual do país, baseada muito mais na incapacidade de contestação dos tais baluartes do que propriamente por suas capacidades, vejo ideologias cerceando pensamentos, vejo o politicamente correto encaixotando opiniões… enfim… mas, chega de só criticar… tá na hora de fazer alguma coisa. De propor algo novo. De tentar sair desse mato sem coelho (ou cachorro, sei lá). Para tanto, será preciso que comecemos a construir um pensamento novo. Adequado às realidades de cada um. Sintético ou analítico, por vezes, mas, ainda assim, essencial para que algo novo, ao menos, seja plantado. Uma semente a ser geminada, que seja.

Me vi num ponto onde noto coisas boas e ruins por onde transito, aprendo, observo. E, como tudo na vida, devemos ponderar. Por isso, por vezes concluo que todos estão certos, à medida que todos estão errados…. e aí é preocupante. Quando ideias baseiam-se em apenas apontar os erros alheios, sem proposição alguma depois, tornam-se inócuas. Sem serventia alguma. Por isso, durante alguns encontros com amigos, e, sobretudo com um específico, onde um cara que admiro bastante me levou a criar uma ruptura na minha linha de pensamento, cuja qual acabei notando que se encaixava no perfil anterior, o de criticar apenas, sem propor soluções. Me vi despido naquele momento… e, sem trocadilhos maldosos, ali despido, puder ver que não bastava eu me cobrir com qualquer colcha de retalhos de pensamentos alheios. Era necessário que eu buscasse o meu próprio. E, tal qual eu sempre utilizo aqui citações de pessoas durante meus textos, numa tentativa de validação do que eu digo, notei que eu mesmo posso, através do meu desenvolvimento, embasar minhas próprias teses. Buscar minhas próprias alternativas e, quem sabe, encontrar as respostas que sigo buscando.

peter-drucker

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos…

O demiurgo e a dualidade…

O assunto hoje é enrolado, pessoal… tomem suas Ritalinas ou, como eu, tomem apenas tento, para nos aprofundarmos na complicação mental em que me enfiei nesses dias…

Pois, como de costume, sigo ouvindo meus pensamentos, à medida que me coloco como observador do mundo e das situações em que ele se desenvolve, e, por várias circunstâncias e “casualidades” (sincronicidades), acabei sendo levado a pesquisar e a ler sobre mitologias e sistemas do pensamento, coisa que faço com todo o prazer, afinal, meu hobby é malhar a mente (que o corpo… enfim… deixa pra lá…).

Analisando o mundo dualista que estamos vivendo, com nuances cada dia mais expostas, mas, em contrapartida, com itens escondidos por detrás de coisas que podem aparentar algo, mas, na verdade, serem outra coisa…

Sim, eu disse que seria enrolado… vamos lá…

arkhonmast

nem anjos e nem demônios…

Tenho visto muito de sistemas escravizantes e tirânicos se valendo de discursos belos e cheios de itens que nos levam a uma armadilha mental de que aquilo é o correto, o bom, ou, o que devemos seguir. Assim, podem vender pacotes completos à mentes atrapalhadas por tantas regras, receitas ou modos de operar.

Esses sistemas podem ser políticos, religiosos, familiares… enfim, encaixa-se em quase tudo hoje em dia. O dualismo do pensar.

...quando na verdade, uma coisa não é distinta da outra...

…quando na verdade, uma coisa não é distinta da outra…

Acabei, dentre essas buscas e leituras, me debatendo com o conceito de demiurgo. Que tem desde bases platônicas, elencando o pensamento e as nuances do bem e do mal, até conceitos gnósticos, onde o “criador do mundo”, seria, por exemplo, uma outra nuance de Deus (o Todo) que poderia enfiar o pé na jaca volta e meia.

Platão falava do sistema onde O Deus Pai, perfeito, pai do Demiurgo, ou “Nous” (que significa nós em francês), que é igualmente bom, mas, tem inclinação à matéria… e que fazem parte de uma trindade santa… coincidência, não?!

O neoplatonismo coloca o demiurgo como o que aborda paradigmas… vejam só:

Segundo Proclo, Plotino considerava que o primeiro demiurgo é o que contempla o paradigma, o segundo é o que dispõe o resultado da contemplação em ação, primeiro criando o universo e então o governando. A parte elevada deve ser chamada Cronos e parte inferior, a ação, traz o nome de Zeus. O reino de Cronos e o intelecto de Zeus, juntamente constituem o nível intermediário entre O Um e o universo. – Fonte: Wikipedia

Pois esses paradigmas são modelos, filosóficos ou pressupostos, que elaboram um padrão a ser seguido. E, assim, podemos fazer o link, novamente, com o mundo dualista e as nuances do pensamento.

nem deuses, nem astronautas... ou, todos eles juntos...

nem deuses, nem astronautas… ou, todos eles juntos…

Também acabei achando conceitos de arcontes, ou seres que lembram outros da mitologia, como os djins, gênios ou mesmo, de acordo com algumas religiões, podem ser operários de alguma causa, que podem operar tanto para o bem, quanto para o mal. Dependendo da situação.

Esse mesmo conceito podemos achar com os nephilim, annunakis, etc, etc, etc… o que, na verdade, sempre acaba nos dizendo que “alguém de fora” interfere no nosso mundo e nos leva a operar de acordo com o “plano maior” de alguém.

Sempre representações de algo externo, e, quase sempre, assustador...

Sempre representações de algo externo, e, quase sempre, assustador…

Então, acabo voltando ao ponto inicial, onde imagino esse sistema dualista atual, como nos levando a ficar a mercê de fatores externos, ou, embrenhados em “planos maiores”, que, invariavelmente nos levam a pensar paradigmas e sistemas para escolher dentre eles o que melhor nos parece… ou, que nos parece menos ruim…

Assim, temos os sistemas de escolha “lesser evil”, ou, mal menor… que já falei inúmeras vezes e que me remete sempre à uma ilusão de escolhas marcadas onde, na maioria das vezes, escolhemos entre o menos ruim, ao invés do que, de fato, gostaríamos…

frase-por-dentro-eu-sempre-me-persegui-eu-me-tornei-intoleravel-para-mim-mesma-vivo-numa-dualidade-clarice-lispector-98287

Podemos pensar no sistema do tal demiurgo, imaginando-o como uma entidade individual, onde nos coloca em uma armadilha de pensamentos (ou a tal Matrix, segundo teorias mais modernas), fazendo com que sejamos induzidos a agir e a pensar de acordo com regras pré estabelecidas. E não necessariamente as nossas.

E, se pensássemos, por exemplo, que, nesse sistema, teríamos um maniqueísmo (pesquisar sobre o profeta Mani e os maniqueus), onde o mal seja algo tão ruim, tão sórdido e tão horrendo que nos fizesse instintivamente correr para o lado do “bem”, mesmo que esse bem não fosse lá essas coisas todas… mesmo que fosse um bem punitivo, cheio de regras, cheio de inconsistências e com tantas regras que faria com que as pessoas apenas obedecessem os “catedráticos” da área, por, simplesmente, não terem capacidade sequer de compreender como funciona.

...a resposta, geralmente, está lá longe das divisas dualistas... pois elas são ilusão...

…a resposta, geralmente, está lá longe das divisas dualistas… pois elas são ilusão…

E, se nesse sistema, ambos os lados trabalhassem para um mesmo senhor?

Assim, amigos, acabei concluindo que a dualidade é uma armadilha de cartas marcadas. E, ao meu ver, seja lá qual for o nome que demos a ela, o tal demiurgo, ou mesmo o “nous”/nós, me remete que o filho do “Pai Maior”, seja aquele que é parte dele, ou, que detenha coautoria nessa criação. Senão, do contrário, seremos sempre controlados por regras alheias às nossas. Nos tornando reativos… ou, ao meu ver, escravos.

Pensemos nisso… ou, simplesmente, pensemos…

frase-eu-acredito-em-geral-em-um-dualismo-entre-fatos-e-as-ideias-destes-fatos-nas-mentes-humanas-george-santayana-102123