Fé, fanatismo e submissão…

Os tempos atuais requerem, de fato, muita reflexão para que se aprenda a diferenciar as nuances de cada coisa. Fator fundamental, ao meu ver, para conseguir sair de uma enrascada ou atolar-se nela até o pescoço.

Vejamos. É notório que a fé e o fanatismo são separados por uma linha muito tênue… e, já dizia um ex-professor de filosofia meu (que graças a Deus não era exclusivo da esquerda): “é o que diferencia os que oram e acreditam, dos que amarram-se a cintos-bomba e explodem-se…”.

frase-o-fanatismo-e-a-unica-forma-de-vontade-que-pode-ser-incutida-nos-fracos-e-nos-timidos-friedrich-nietzsche-101607

Mas, eu diria que há um outro elemento que une uma coisa e outra. A submissão. A voluntária ou a involuntária. Podemos ser submissos, por exemplo, apenas sendo omissos (rimando e tudo).

Ok. Já sabemos que vem enrosco aí… e, portanto, vamos, como de praxe, ao amansa-burro primeiramente:


s. f. 1. Crença, crédito; convicção da existência de algum fato ou de veracidade de alguma asserção. 2. Crença nas doutrinas da religião cristã. 4. A primeira das três virtudes teologais. 5. Fidelidade a compromissos e promessas; confiança. 6. Confirmação, prova.

fa.na.tis.mo
s. m. 1. Excessivo zelo religioso. 2. Dedicação excessiva; paixão. 3. Adesão cega a uma doutrina ou sistema.

fa.ná.ti.co
adj. e s. m. 1. Que, ou o que se julga inspirado por Deus. 2. Que, ou o que se apaixona demasiadamente por uma causa ou pessoa.

sub.mis.são
s. f. 1. Ato ou efeito de submeter(-se); obediência, sujeição. 2. Disposição para aceitar um estado de dependência. 3. Estado de rebaixamento servil; subserviência.

sub.mis.so
adj. 1. Que denota submissão. 2. Que está em posição inferior. 3. Humilde, suplicante. 4. Dócil, respeitoso.

sub.ser.vi.en.te
adj. m. e f. 1. Que serve às ordens de outrem servilmente. 2. Muito condescendente.

ser.vil
adj. m. e f. 1. Relativo a servo. 2. Baixo, ignóbil, torpe, vil. 3. Subserviente, bajulador, sabujo. 4. Que segue rigorosamente um modelo ou original.

o.mis.so
adj. 1. Em que há falta ou esquecimento. 2. Descuidado, negligente.

Ok! Acho que já chega… o nosso querido amansa nos brinda com alguns links que podemos fazer, para entender o contexto de onde eu quero chegar.

frase-os-homens-tem-dois-caminhos-quando-nascem-o-da-submissao-que-os-esmaga-e-deteriora-ou-o-da-jose-julian-marti-perez-128369

Pois, creio eu, que há oceanos de diferença entre uma coisa e outra. A fé, em si mesma, é algo bom, pois nutre a esperança de que algo melhor, ao menos, nos aguarda. Ela permite mudança. A fé no sentido de crer em algo bom e melhor. Não necessariamente o do sistema teológico em si. Mas, ainda assim, há os que dentro desse mesmo sistema, possam variar entre a fé e o fanatismo. Não só o sistema teológico. O sistema político, o sistema financeiro, ideológico, filosófico, administrativo, etc… afinal, a teoria dos sistemas nos diz que podemos analisar tudo de forma interdisciplinar…

 

A ‘teoria de sistemas estuda, de modo interdisciplinar, a organização abstrata de fenômenos, independente de sua formação e configuração presente. Investiga todos os princípios comuns a todas as entidades complexas, e modelos que podem ser utilizados para a sua descrição.

frase-a-submissao-a-um-homem-fraco-e-disciplina-a-submissao-a-um-homem-forte-e-servilismo-gilbert-chesterton-145590

Portanto, invoco a teoria dos sistemas (A la Yu-Gi-Oh) para que façamos as devidas correlações entre os diversos sistemas que nos rodeiam e o que cada um deles interfere em nosso dia-a-dia.

Vejamos que o fanatismo e a submissão são relacionados diretamente com o tratado social. Enquanto alguns “especialistas” de causas, ou fanáticos, no bom português, alardeiam as regras e não admitem que pessoas tentem sair delas, há os que, igualmente, submetem-se a tais regras de forma servil. De forma omissa.

Dependendo do que chamamos de "bem" e "mal"...

Dependendo do que chamamos de “bem” e “mal”…

Para os que creem nos sistemas religiosos, podemos, inclusive, dizer que omissões são pecados, ou faltas que cometemos. Lembro ainda, entre um cochilo e outro nas missas em que frequentei, do ato de contrição, onde todos repetíamos:

Confesso a Deus Todo-Poderoso
e a vós, irmãos(a)
que pequei muitas vezes
por pensamentos, palavras,
atos e omissões,
por minha culpa,
minha tão grande culpa.
E peço à Virgem Maria,
aos anjos e santos
e a vós, irmãos,
que rogueis por mim a Deus, nosso Senhor.

E que seu coração seja o meu caminho por toda a minha vida

Amem.

Inclusive grandes cagadas...

Inclusive grandes cagadas…

Tá bem, todos fazemos merda coisas que nos arrependemos na vida, mas, ao meu ver, erros constroem acertos futuros. Não no caso da omissão.  Ela não nos ensina nada. Ela apenas posterga alguma coisa. Embora, também, sob outro prisma, possamos pensar que omitir-se é um ato em si. É uma escolha de não fazer. Portanto, é nossa responsabilidade igualmente. O que, não considero culpa. Considero consequência.

Seguindo: a omissão e a submissão, por outro lado, têm seus pontos de convergência à medida em que delegamos a outros nossas escolhas. Sendo-lhes obedientes, ou, abstendo-nos de nossas vontades em pró de outras. Assim, seja lá por qual motivo seja, sendo obediente e servil à fanáticos, estamos automaticamente reforçando seus sistemas e suas retroalimentações.

frase-o-fanatismo-consiste-em-redobrar-o-proprio-esforco-quando-nos-esquecemos-do-objetivo-george-santayana-102120

O momento atual, ao meu ver, é todo explicado sobre essa ótica de fé x fanatismo x submissão/omissão. E, com os devidos links, notamos que muitas pessoas de fé, acabam-se vendo enredados em contextos complexos e rígidos, para que, dentro de suas ideias de fé e crença, tenham que obedecer a sistemas fechados, que as restringem de expandir suas mentes para o aprimoramento de tais sistemas. Afinal, na mente dos fanáticos, qualquer mudança ao sistema é heresia, e, portanto, digna de punição. E por aí, muito do atraso do mundo se explica também (tudo, obviamente, na minha ótica e análise).

Vejamos em um cenário mundial. Notemos que forças binárias e antagônicas digladiam-se eternamente, fazendo com que necessariamente escolha-se um time ou outro, sendo que uma escolha, automaticamente, exclui a outra. E, sob a ótica de cada sistema, os prós e contras para quem não os seguem à risca os preceitos, são aterradores.

frase-a-humildade-nao-e-mais-que-uma-falsa-submissao-de-que-nos-servimos-para-submeter-os-outros-e-francois-de-la-rochefoucauld-149478

Notemos as nuances de cada sistema. O que nos oferece de bom. O que nos ameaça como punição por descumprimento de regras e normas. O que nos engessa o pensar. E, sobretudo, pensemos, como a sociedade só evoluiu quando algum engraçadinho ousou não obedecê-los. É claro, que nem sempre com ganhos reais. Afinal, como já disse inúmeras vezes, as nuances são embaçadas e difíceis de enxergar a olho nu.

O que fazer então?

frase-a-submissao-a-vontade-geral-e-o-vinculo-de-todas-as-sociedades-sem-exceptuar-as-que-sao-diderot-146352 (1)

Eu, como de costume, não dou receitas prontas. Pois não acredito mais em saídas mágicas. Acredito em construção de resultados. E, sendo assim, poderia dizer que apenas conhecendo cada nuance é que poderemos identificá-las. E, após a identificação, poder entender o que nos é proposto. Qual nosso ganho… e, sobretudo, a qual custo…

Escrevo esse pensamento à medida que vejo muita gente boa, bem intencionada, sendo engolida por esses sistemas que vendem benesses, que se autoproclamam bons e fundam assim “clubes” de gente do bem. Quando, na verdade, são vertentes de um plano dual e maniqueísta, onde o “bem” e o “mal”, obedecem a um mesmo senhor. Apenas, o “mal” exercendo um papel tão assustador, que faz com que todos aceitem o “bem”, independente do quão esse “bem” não seja lá essas coisas… mesmo que ele seja cheio de regras cerceantes, de ações ignóbeis e de obediência servil. De submissão.

frase-ha-epocas-de-tal-corrupcao-que-durante-elas-talvez-so-o-excesso-do-fanatismo-possa-no-meio-alexandre-herculano-148313

Certamente há quem goste de submissão. Que sinta, inclusive, prazer com ela… mas, aí entraremos na seara sexual-sadomasoquista, e, apesar de eu ter lá meus fetiches, não é lá bem a minha praia…

Ok... não é lá de todo ruim...

Ok… não é lá de todo ruim…

Anúncios

Reação ou ação repetida?

Tenho obviamente acompanhado todas as discussões dualistas que estamos tendo no país e no mundo. A retomada da guerra fria, comunistas x capitalistas (como se fossem realmente antagônicos entre si, ou polaridades opostas. Não são.), coxinhas x mortadelas, tucanos x petralhas, etc, etc, etc… e, dentre elas, me deparei inúmeras vezes com o “xingamento” “reaça”.

frase-mas-se-a-sociedade-nao-pode-igualar-os-que-a-natureza-criou-desiguais-cada-um-nos-limites-da-rui-barbosa-114733

O tal “reaça”, obviamente, vem de “reacionário”, ou seja… bem, não vou sair lascando… vamos, primeiramente, ao amansa-burro, como de costume:

re.a.ci.o.ná.rio
adj. Relativo ao partido da reação, acep. 7. 2. Contrário à liberdade individual e coletiva. S. m. Indivíduo reacionário.

frase-ser-reacionario-e-ser-vivo-porque-so-um-cadaver-nao-reage-aos-vermes-que-o-corroem-georges-bernanos-125584

Notemos que é relativo (e não relativismo) ao partido da reação. Mas, o nosso Michaelis inseriu o conceito de contrário à liberdade… será mesmo? Vamos lá…

re.a.ção
s. f. 1. Ato ou efeito de reagir. 2. Ação que resiste ou se opõe a outra; resistência. 3. Fís. Ação reflexa ou resistência que um corpo opõe pela sua inércia a outro que sobre ele atua, ou a uma forma que o solicita. 4. Fisiol. Ação orgânica resultante do emprego de um estimulante. 5. Psicol. Resposta a um estímulo qualquer. 6. Quím. Processo pelo qual, da ação recíproca entre duas ou mais substâncias, se forma outra ou outras, de características diferentes. 7. Polít. Sistema político contrário à liberdade; absolutismo.

Ação… resiste… inércia… resposta… Ok…

frase-ninguem-mais-pode-decidir-como-voce-vai-reagir-cada-um-deve-marchar-ao-som-de-seu-proprio-john-powell-104788

 

Acho que dá para iniciar um esboço a partir daí… reagir a uma coisa, ao meu ver, é a base do pensamento. Ação x Reação… 3ª lei de Newton… ou, se preferirem, Lei da “Causa e Efeito”…

Ressalto um trecho extraído do link do site “infoescola.com”:

Em casos de troca de forças é indiferente saber qual corpo realizou a ação e qual realizou a reação, pois as forças sempre estarão aos pares, quando existe uma ação sendo realizado sempre haverá uma reação. Que é o equivalente a dizer que não existe uma ação sem reação.

Pois bem, tanto no sentido físico, quanto no esotérico/espiritualista, podemos dizer que ações e reações são parte de sistemas maiores. Desde a criação de matéria, até mesmo ao de evolução do pensar.

frase-os-instintos-sao-formas-tipicas-de-comportamento-e-todas-as-vezes-que-nos-deparamos-com-formas-carl-jung-138749

Pois é aí que eu quero me adentrar mais um pouco.

Notemos que o jogo todo se desenha sobre uma discussão sobre quem é que fez a ação e quem é que reagiu a ela… como crianças pequenas que, ao serem repreendidas, soltam o clássico “FOI ELE QUEM COMEÇOU!”.

Pois, a lei de Newton, com a citação acima, nos dão a resposta que é indiferente. Uma é ligada a outra e ambas são sinérgicas em um processo maior. Chame-o do que quiser, sobre a ótica que quiser, mas, essa lei, ao meu ver, é uma das poucas que encontra eco no universo todo. Ação e reação. Causa e efeito. Escolhas e consequências.

frase-para-toda-acao-nao-existe-uma-reacao-e-sim-uma-nova-acao-decorrente-de-uma-solucao-rafael-de-oliveira-leme-111966

Enfim, notemos que o agir ou reagir, está inserido em um contexto… e, então, resta fazer a pergunta a todos nós: QUAL CONTEXTO?

Pois é nesse contexto que poderemos basear a trajetória e tentar prever o resultado. Se ele será benéfico ou será um desastre completo. Não acham que faz diferença? Para mim, faz toda… explico:

Quando uma empresa está operando em sua produção, de forma deficitária, a primeira medida do controller é suspender a produção. Afinal, quanto mais se produzir de forma deficitária, maior será o rombo.

Ou seja, agir é uma coisa, mas, identificar o tipo de ação é primordial. Afinal, para uma ação ruim, a reação será ruim… tal qual para uma ação boa, a reação será igualmente boa…

Sorria e sorrirão de volta… xingue e será xingado… ofereça rosas e veja a reação… dê um safanão em alguém e espere a reação…

frase-se-nos-nao-pudessemos-rir-das-coisas-que-nao-fazem-sentido-nos-nao-poderiamos-reagir-a-calvin-162496

Assim, posso dizer também que nossas ações ditam as reações. É claro, baseado em conceitos éticos sociais considerados normais… afinal, há quem achará que oferecer flores à uma dama possa ser assédio e tals… coisas dos tempos merda modernos em que vivemos…

Para tal, eu diria que a reação, pode, obviamente, se opor a outra… e é essa terminologia que vou adotar… pois que citei acima, nos exemplos de flores e xingamentos, eu consideraria como consequências de atos…

frase-causa-e-efeito-antes-do-efeito-acredita-se-em-causas-diferentes-daquelas-que-aparecem-depois-friedrich-nietzsche-151668

Uma boa ação, terá uma boa consequência, refazendo o pensamento. Tal qual, uma má ação, exigirá uma reação de oposição.

Eu venho notado em meus pensamentos a necessidade de expor a diferença entre reagir e estancar uma má ação.

Tenho falado muito ultimamente nisso… não basta apenas agredir de volta o agressor. Tem-se que aprender o porquê essa pessoa quer lhe agredir. Se existe algum padrão nisso. E, se puder, acabar com qualquer tentativa de agressão futura, ao invés apenas de estar preparado para surrar de volta o agressor.

frase-nunca-o-homem-inventara-nada-mais-simples-nem-mais-belo-do-que-uma-manifestacao-da-natureza-leonardo-da-vinci-105725

Ok. Não é um bom exemplo ainda… mas, a ideia central é nos levar a pensar nos cenários que se montam para que percamos mais tempo reagindo (ou nos opondo a) do que nos perguntando o porquê essas ações ruins seguem acontecendo. É nisso que eu os convido a pensar.

Seja na nova guerra fria, seja no cenário político brasileiro, seja no que for. Nos perguntemos se seguir agindo, sem pensar nas causas disso e nos porquês, não seguiremos sempre dentro do mesmo circuito de consequências/reações/efeitos?

frase-uma-vida-de-reacao-e-uma-vida-de-escravidao-intelectual-e-espiritualmente-deve-se-lutar-por-rita-mae-brown-142744

Reagir é diferente de re-agir… ou, agir novamente… ou, simplesmente, seguir agindo… para a ação, sempre foi e sempre será, primeiramente, o planejamento. E é aí que diferenciamos bons projetos de simples tentativas aleatórias…

Pensemos nisso… ou, simplesmente, pensemos…

frase-todo-efeito-tem-uma-causa-todo-efeito-inteligente-tem-uma-causa-inteligente-o-poder-da-causa-allan-kardec-91622

 

Salvadores x Salvados x Salvos

Já escrevi, há tempos, um texto sobre salvação e a necessidade de salvarmos a nós mesmos… mas, notei que há uma vontade de esmiuçar um pouco mais o caso, quando vejo ainda, pessoas debilmente tentando “salvar seus salvadores”… ou seja, uma criatura que julgam tê-las salvo, e, assim, depositando seus resquícios de esperança em algo ou alguém, além delas mesmas, encontra a necessidade de salvar-lhes a esperança, que é refletida em outrém…

O conceito de salvação é muito amplo… afinal, ele pode ir desde uma pessoa que lhe resgate, passando por alguém que lhe estenda a mão em uma hora difícil, a, até mesmo, uma simples tábua boiando durante um naufrágio…

Sim, ficou enrolado… vamos lá…

Comecemos diferenciando o conceito de salvo e de salvados (não incluirei os “sinistrados” no caso, embora, até pudesse)…

sal.vo
adj. 1. Fora de perigo; livre de risco, doença, morte ou desgraça. 2. Intacto; ileso, incólume. 3. Animador, salutar. 4. Resguardado, ressalvado. 5. Que obteve a bem-aventurança eterna. 6. Remido. 7. Excetuado, omitido. Prep. Exceto, afora.

salvados

s.m.pl. Objetos que escaparam de uma catástrofe, principalmente de incêndio ou naufrágio. Um leilão de salvados.

O dicionário não ajudou lá essas coisas no que eu gostaria de mostrar. Mas, sabemos que o termo “salvados” serve àqueles itens que sobreviveram a algum evento catastrófico, e, assim, são reutilizados mais tarde. Geralmente por um valor mais baixo do que o “original”.

twitter_page-avatar_400x400

Pois bem, dito isso, adentro no cerne da questão inicial. Pessoas salvas, podem salvar-se a si mesmas, já,as “salvadas”, são utilizadas em um contexto diferente, sob o ponto de vista político-social, por exemplo.

Ok… não tá bom ainda… vamos adiante…

Vamos à tentativa de exemplificação…

A pessoa pode ter tido inúmeras dificuldades na vida, passado pelo inferno e um mar de fogo descalço, mas, lá pelas tantas, encontra subsídios em si mesma para sair da situação por conta própria. Ela pode ter se modificado profundamente no período complicado e, assim, forçada a dar um jeito por conta própria para, seja por instinto de sobrevivência ou por avanço intelectual, de sair dali. Ou seja, ela foi salva… mas não por algo ou alguém… foi salva por si mesma (e não entrarei em meandros religiosos neste caso).

Só Zeus salva... não, pera...

Só Zeus salva… não, pera…

Já, alguém que está na pior situação possível, já abatida. Seja por desistência ou por simplesmente não conseguir superar os obstáculos do momento, é resgatada dali por algo ou alguém (seja um evento ou um ente qualquer). Essa pessoa terá um “salvador”. E, assim, será ela uma pessoa, segundo minha proposição de raciocínio, uma “salvada” e não uma pessoa “salva”…

Sim, o jogo de palavras é apenas para demonstrar que vejo diferenças gritantes entre uma “salvação” e outra… tal qual, vejo enormes e colossais diferenças entre “salvadores”.

Pois eu acredito que alguns salvam pessoas, para que possam reutilizá-las depois… e por um “preço” muito mais acessível… como em um leilão de salvados…

Já, há os que simplesmente auxiliam pessoas a encontrarem suas próprias soluções para que não apenas saiam de situações complicadas, mas sim, que não mais voltem à elas. E, apesar de concordarmos que são esses os verdadeiros “salvadores”, os mesmos sequer se considerarão como tal, afinal, ajudar o próximo não é salvá-lo, segundo seus entendimentos, é apenas uma característica humana que todos deveríamos ter originalmente.

frase-ai-percebo-que-sou-a-preciosa-forma-de-enxugar-as-lagrimas-e-que-sou-a-porta-de-saida-de-rafael-silveira-113630

Assim, podemos separar um tipo de salvador de outro, à medida de como os salvos ou salvados irão se reinserir no sistema após o evento.

Haverá quem siga com suas vidas adiante, com toda a gratidão do mundo para aqueles que os auxiliaram, e, os que irão sentirem-se em dívida com quem os resgatou, tornando-se partes úteis de seus sistemas.

Notem que eu não faço distinção de bem e mal nesses conceitos, afinal, acredito quem a percepção da pessoa salva ou salvada é que faz a diferença. Então, se no contexto todo ela sentir-se bem com isso, não podemos dar conotação má ao fato, mesmo que ela não entenda que tenha se inserido em um tipo de servidão por gratidão por conta disso.

Sob o ponto de vista moral, ainda exemplificando, poderia dizer que em um caso, uma pessoa vê uma outra em dificuldade, se afogando, por exemplo, e, a retira da água e a ensina a bater os braços ou a boiar para que evite afogamentos futuros. E, ao ser-lhe oferecida alguma recompensa, nega-a. Afinal, aquilo foi algo que ela fez de bom grado apenas. Já, em outro caso, a pessoa vê outra se afogando e, após retirá-la da água, exige-lhe favores em troca, para que quite-se a dívida de gratidão…

frase-eu-sou-eu-e-minha-circunstancia-e-se-nao-salvo-a-ela-nao-me-salvo-a-mim-jose-ortega-y-gasset-128398

Sim, o exemplo besta simplista do afogamento não alcança o ponto onde abrem-se nichos de mercado em função disso. Os mercados de pessoas incapazes de salvarem-se a si mesmas versus pessoas que obtém vantagens para si mesmas através de salvamentos de outros.

E, como em qualquer outro mercado, temos os “empreendedores” que formatam mercados, criam-nos e moldam-os em função de suas próprias estratégias. Assim, podemos, por exemplo, explicar o contexto da fábrica de “oprimidos” que temos hoje em dia. Não que não existam tais oprimidos, mas, simplesmente pelo fato de que alguns “salvadores” necessitem que exista cada vez mais oprimidos para que estes obtenham suas vantagens, ou alcancem seus objetivos.

Em termos de estratégia administrativa, podemos dizer que, em alguns casos, pessoas “salvadas” podem se constituir em uma matéria-prima muito mais acessível (sob o ponto de vista de custo), do que uma pessoa com capacidade de salvar-se a si mesma.

frase-cada-homem-e-o-seu-proprio-salvador-porque-deus-esta-em-todos-os-homens-john-joseph-murphy-160065

Ofereça uma boia por um real em uma piscina de 2,5 metros de profundidade a uma pessoa que sabe nadar e ela provavelmente não a comprará, pois não necessita dela (ou comprará só porque tá barato demais, no exemplo merda ruim que dei de novo)… já, ofereça a mesma boia por 1000 reais a quem não sabe nadar e está já se afogando de fato…

Assim, teremos os aproveitadores de vítimas como quase que uma forma de “ganhar” a vida… que, por mais irônico que seja o termo “ganhar a vida” em relação à emprego e remuneração, pode estar diretamente ligado ao fato de ganhar algo evitando que pessoas percam. Nada errado até aí… só que no caso, quanto mais pessoas existirem num contexto de incapacidade, mais outros aproveitadores (ou “salvadores”) terão seus meios de atingirem seus objetivos de forma menos complicada.

...ou, a melhor forma de salvar-se, caro doutor...

…ou, a melhor forma de salvar-se, caro doutor…

Voltando à exemplificação, já no cunho político-social: utilizando a pirâmide de Maslow, podemos ver que as necessidades básicas estão no topo da pirâmide, enquanto a moralidade está no topo. Sendo assim, quanto mais pessoas lutando para não morrer de fome, ou precisando de abrigo, menos pessoas preocupadas com a moralidade teremos. O que, obviamente nos mostra que poderemos ter pessoas sendo salvas com um simples “prato de comida” (ou bolsa/dentadura/roupa/etc…), enquanto essas mesmas pessoas, em estágio mais avançado, começarão a questionar a moralidade do proposto. Assim, quem está com fome ou morrendo de frio, aceitará dinheiro vindo ele do tráfico, de desvios de merenda escolar, de desfalques no sistema de saúde, etc; enquanto quem não está morrendo de fome, preferirá não pegar o dinheiro sujo para si…

Pirâmide-de-Maslow

 

Portanto, amigos, retorno novamente ao assunto para mostrar que alguns benefícios podem ser atingidos às custas de coisas que nos arrependeríamos se não fosse o quadro desesperador do momento. Assim, sigo dizendo que, infelizmente, o caos é um ótimo fator mercadológico para quem age em cima de planos abusivos. O desespero “facilita” uma negociação… tal qual o medo a torna, inclusive, impositiva… mesmo que ela sequer fosse necessária em tempos “normais”…

Notemos que há oceanos de diferença entre os auxiliadores altruístas do pessoal do “me ajuda que eu te ajudo”… e não coloco aqui o altruísta que vive de forma franciscana e que não quer nada para si, mas sim aquele que entende que o benefício está na boa ação em si mesma, e não no contexto da “gratificação” como forma de “pagamento”.

Pensemos nisso… ou, simplesmente, pensemos…

frase-o-homem-hoje-para-ser-salvo-so-tem-necessidade-de-uma-coisa-abrir-o-coracao-a-alegria-bertrand-russell-94308frase-o-mundo-so-podera-ser-salvo-caso-o-possa-ser-pelos-insubmissos-andre-gide-92047

E no escritório…

E no escritório da empresa, o diretor chama o gerente…

  • Senhor Dilmar, o senhor pode me explicar o porquê da queda de todos os nossos números no balanço, se a nossa empresa está tendo faturamento record nos últimos anos?
  • Doutor Erlei, primeiramente eu gostaria de saudar o capim… os quatro ventos da mãe Terra, mãe nossa que, muito mais do que ser mãe, é também, no que se refere à nós, uma mãe, um pai e também uma avó, porque a avó é aquela figura que tem sempre um bolo de fubá atrás…
  • Do que o senhor está falando? Poderia ir direto ao assunto destes números?
  • Eu diria que há uma falta de humor dos nossos contabilistas, que, certamente estão sendo impactados pelos números da mídia e…
  • PERALÁ! Somos nós que mandamos os números do balanço… nós os divulgamos…
  • Sim, mas esses investidores que não confiam em números oficiais e arrumam outras fontes de pesquisa são todos neuróticos, disseminam o medo para que nosso valor diminua e…
  • Ok, ok, já entendi… mas, então, por que é que o pessoal do contas a pagar está emitindo relatórios de que não estamos pagando as contas em dia por falta de verba?
  • Esse pessoal não paga porque não quer… nossos números podem não estar lá essas maravilhas, mas, a concorrência está pior…
  • Não, não está… estão todos, apesar das dificuldades, apresentando perspectivas positivas e números maiores que os nossos…
  • Estão maquiando os números… prática velha e conhecida dos capitalistas malvados que só visam o lucro…
  • Nós também visamos lucro… todos visam… a diferença é que temos a meta de repassar esses lucros em benefício social…
  • Sim, tínhamos a meta… mas, eu abri mão da meta… aí, caso atinjamos a meta, dobraremos a meta…
  • O senhor anda bebendo? Está realmente raciocinando para falar isso?
  • O senhor está sendo preconceituoso comigo só porque eu sou mulher…
  • Não, o senhor é homem…
  • Não, sou uma mulher lésbica aprisionada num corpo masculino pequeno-burguês que age assim por causa da sociedade preconceituosa…
  • Mas o senhor tem 3 filhos… e dá em cima da secretária do marketing, que eu sei…
  • O senhor me acusa de assédio à uma colega?! O senhor é um conservador retrógrado que não tem o direito de me humilhar dessa maneira!!!
  • Não, apenas estou constatando os fatos… que o senhor vem aqui tentar deturpar…
  • Pois veja que nós, mulheres transexuais lésbicas, temos todo o direito de ter nosso lugar ao sol…
  • Sim… caso o senhor fosse uma… mas, igualmente, não tira o fato de o senhor estar falando absurdos que me fazem duvidar da sua sanidade mental… e isso, eu chamo de coerência para com meus funcionários…
  • Pois esse materialismo histórico arraigado no senhor é deplorável… só porque é o dono do meio de produção, acha-se acima do bem e do mal… o que apenas mostra o lado malvado da burguesia…
  • Burguesia? Eu sou o responsável pela arrecadação record da empresa… e, ainda quero saber cadê o dinheiro para pagar as contas… estamos com funcionários sendo algemados por suspeitas de desvio de dinheiro…
  • Eu não sabia de nada…
  • Mas são do seu setor…
  • Também não sei de nada…
  • Mas eles foram contratados pelo senhor e os documentos têm a sua assinatura…
  • Se eu assinei alguma coisa, não li… me traíram!!!
  • Como alguém que assina algo sem ler pode dizer que é traído, pode me explicar?
  • Eu confio muito no pessoal… eles me pediram para assinar…
  • Ah sim… então, vou pedir-lhe que assine aqui para mim também…
  • O que é isso?
  • Sua carta de demissão…
  • O senhor está querendo aplicar um golpe nessa empresa com isso! Eu sou o único responsável pela apuração das falcatruas que aqui ocorrem e que não eram apuradas antes… no mínimo é o senhor que deve estar por detrás de todos esses desvios…
  • Eu? E como eu estaria por detrás disso se a polícia não está aqui me algemando… e sim os seus funcionários?
  • Porque o senhor comprou a mídia, a polícia, provavelmente está também comprando os investidores que negativam o meu trabalho e, sobretudo, o senhor é um conspiracionista…
  • Ah sim… então a culpa é toda minha… tudo bem… mas, ainda assim, o senhor está demitido… ou por falcatrua, ou por incompetência… escolha o que quiser… assine aqui, ao lado da minha assinatura… sim… ao lado do nome Erlei Tohr…

449189

Ponto de vista…

Em tempos atuais, onde estamos praticamente divididos, em castas antagônicas geralmente, o “ponto de vista” quase sempre é invocado durante um debate, para salientar que a pessoa, ou expõe sua visão, ou, encarcera-se nela.

Na semântica, quando ela vem no início ou meio da frase, é porque a pessoa ainda está interessada em debater. Por exemplo: “no meu ponto de vista, isso é…”; já, se vier ao final da frase, ela está praticamente encerrando o assunto e te dizendo que fica com o que ela pensa… “bom, mas este é o meu ponto de vista…”.

Sendo assim, para variar, me peguei refletindo sobre a frase e seus significados intrínsecos…  a pessoa está tendo algum benefício ou não, ao ficar com o seu ponto de vista?

images (22)

Depende… eu diria… (sempre o bom e velho caminho do meio)

Se a capacidade de visão da mesma for ampla, sim… se, for limitada, deturpada ou nenhuma… bem… aí não é bom negócio…

Como assim? – dirão.

Simples. No ponto de vista de um daltônico, o vermelho é verde… e, não por acaso, uso o vermelho e o verde… pois tem cunho político esse post, inclusive.

No ponto de vista de alguém que vê “humanismo” em ações governamentais cretinas, aquilo é coisa boa… já, para outros, a cretinice ao final, não justifica tal “humanismo”, pois trata-se de mero populismo.

frase-se-ha-algum-segredo-do-sucesso-consiste-na-habilidade-de-aprender-o-ponto-de-vista-do-outro-e-ver-henry-ford-126421

Sempre ouvimos que há de se respeitar as opiniões alheias… mas, isso são tempos áureos lá da minha criação dos anos 80… já que nasci em 75 e, começo a me lembrar de algo da minha educação de 1980 para cima…

Hoje temos o “politicamente correto”, que molda visões… ou seja, a nossa visão também pode ser induzida. Para alguém que nunca viu um canguru na vida (e não tem acesso algum a informação, é claro), se um gaiato resolver dizer que aquilo é um cão saltador, pode virar verdade para o coitado burro desavisado.

Ora, se todos temos um ponto de vista, e, ele nos é soberano, partimos do princípio, então, que nós somos os detentores do conhecimento. Mas, não é bem assim…

Nosso conhecimento é limitado, mas, sempre em expansão (para aqueles que assim permitem). Da mesma forma em que podemos passá-lo adiante, também podemos receber de outros sem que tenhamos prejuízo… certo?

Não… se o que recebemos está poluído ou é mal posto, nosso entendimento pode ser moldado à mercê daquele que nos chega com a “novidade” do conhecer… e, como tenho aprendido ultimamente, muito pior do que não saber nada, é saber coisas erradas ou nocivas.

Bem, mesmo um mau exemplo é algo a se considerar e nos ajuda… desde que, saibamos discernir o que é um bom de um mau exemplo… você acha que sabe?

Eu tenho o meu ponto de vista… e é com ele que eu me baseio em tudo o que faço… mas, certamente, ele está em constante mudança… dia a dia… fato a fato… a cada leitura, a cada visão de algo, a cada análise feita sobre uma situação… e, NO MEU PONTO DE VISTA, esse é o ideal… (complicado, não?!)

tudo depende do ponto de vista

Que cada um tenha a segurança de apoiar-se em sua visão das coisas… pois é sobre ela que o mundo se desenvolverá a seus olhos… literalmente. Então, tenha certeza de que o vermelho não é verde, ou, se for, que você tenha a consciência de que o seu daltonismo, apesar de algo chato, não vai te impedir de ver as coisas… apenas de um modo diferente.

Não há problema na diferença. Não para mim. O problema está mesmo quando alguém tenta me convencer disso… eu não quero ser convencido de nada… eu prefiro amadurecer o entendimento, levando o tempo que for, para que eu conclua isso… e não pegue o atalho de alguém que me enfia aquilo como verdade única e imutável. Pode até ser que eu conclua isso… mas, que seja minha conclusão.

Ponto de vista2

Tomemos cuidado com os proselitistas… eles estão aí, o tempo todo, tentando moldar a sua visão para que seja parecida com a que eles querem que seja. Com discursos rebuscados, tecnicamente embasados e, sobretudo, com algum interesse revestido. Até aí, nada de mais… afinal, todos temos algum interesse revestido em nossos discursos… eu mesmo tenho um ao escrever esse blog e esses textos todos. Só que, o meu interesse é levar dúvida às mentes de todos. É instigar que pensemos mais. Que investiguemos. Que nos libertemos das amarras mentais. Enfim, não estou aqui profissionalmente e, tampouco, pedindo algum tipo de compensação de alguém para tal (mas, caso alguém queira depositar na minha conta, mando o número por email). Meu intuito é fazer com que cada vez menos tenhamos que depender de “salvadores da pátria” ou “biduzões” de plantão. Salvem-se a si mesmos, com suas próprias forças…

acid_picdump_88_60

 

Vejo que alguns pensadores dizem que o ideal é tentarmos entender o ponto de visa alheio… bem, eu diria que mais do que isso, o ideal seria termos a capacidade de empatia com o outro… saber como ele se sente acerca de algo… que é bem diferente de apenas tentar entender como ele vê algo…

Quando eu era criança, eu imaginava coisas do tipo: – será que isso que eu chamo de bola, para outra pessoa, pode ser um quadrado? E, em alguma realidade paralela, todos os quadrados sejam redondos? – (sim, eu já era doido desde pequeno)

Pois a física quântica está aí lutando para provar que o que gera a matéria e cria formas, é a nossa observação… então, de certa forma, pode ser que eu não seja lá tão doido assim… e, apenas mais um aquariano tentando ver à frente de seu tempo…

Também sei que a visão cansa com o passar dos anos e, olhos cansados acabam precisando de óculos… mas, a visão a que me refiro, a mental, essa quando mais velha, mais ampla fica… pensemos nisso… ou, simplesmente, pensemos…

frase-enxergar-o-mundo-como-se-fosse-um-sonho-e-um-bom-ponto-de-vista-quando-tem-um-pesadelo-voce-yamamoto-tsunetomo-136729frase-somente-quem-tem-a-vocacao-da-politica-tera-certeza-de-nao-desmoronar-quando-o-mundo-do-seu-max-weber-131182frase-e-por-favor-nao-confunda-o-meu-ponto-de-vista-com-cinismo-os-cinicos-de-verdade-sao-aqueles-george-carlin-102010frase-suas-atitudes-sao-responsaveis-pelo-seu-destino-de-acordo-com-o-ponto-de-vista-que-voce-luiz-gasparetto-106087frase-tres-quartos-das-miserias-e-mal-entendidos-do-mundo-desaparecerao-se-nos-colocarmos-no-lugar-de-mahatma-gandhi-130347frase-o-mais-perigoso-ponto-de-vista-o-que-eu-faco-neste-momento-e-tao-importante-para-tudo-o-que-friedrich-nietzsche-151679

Profissão: professor x educador

Todos sabem o quanto eu gosto de fazer jogos de palavras parecidas. Gosto de me aprofundar em suas raízes e pensar a respeito de seus significados, sentidos e, principalmente, entender a aplicação delas no mundo em que vivemos…

É claro, geralmente minhas inspirações vêm de algo decorrente do dia a dia, ou de meus próprios pensamentos, que ultimamente fervilham acerca do grau cultural-educacional que nos cerca no país.

123814193984

Debate-se muito sobre a falta de educação que vemos por aí. O que produz gente ignorante, sem visão e com muitíssimas limitações de pensamento. Em função disso tudo, fala-se da importância profissional dos professores… e esse “professor profissional” é que me tocou um sino na mente, até porque, me tornei um professor recentemente. Ou seria educador? Bem, se eu recebo salário por isso, então sou professor profissional? Enfim… veremos…

Em um momento de epifania, me vi cruzando os significados de professor com o sentido de professar, para tentar entender a tal profissão…

frase-cabeca-pra-usar-bone-e-professar-a-fe-de-quem-patrocina-humberto-gessinger-126681

Não, eu não bebo… e tampouco utilizo qualquer outra substância entorpecente que não seja, ultimamente, ver jogos do meu Internacional…

Bem, como de costume, vamos ao amansa (e, como fiz na última vez, sublinharei o que quero ressaltar):

pro.fis.são
Substantivo feminino.
1.
Ato ou efeito de professar (5).
2.
Atividade ou ocupação especializada, da qual se podem tirar os meios de subsistência; ofício, mister. [Pl.: –sões.]

Profissão liberal.
Profissão de nível superior que habilita o exercício dela por conta própria de quem a tem. Ex.: advocacia, engenharia.

Ok, profissão é o ato de professar… maravilha…

pro.fes.sar
Verbo transitivo direto.
1.
Reconhecer publicamente.
2.
Abraçar (cargo ou profissão).
3.
Adotar, abraçar (doutrina).

Verbo transitivo direto e indireto.

4.
Prometer, jurar.

Verbo intransitivo.

5.
Fazer votos, entrando para uma ordem religiosa.

Interessante… abraçar uma doutrina… entrar em uma ordem… beleza…

pro.fes.sor(ô)
Substantivo masculino.
Aquele que ensina uma ciência, arte, técnica; mestre.

§ pro.fes.so.ral adj2g.

O que ensina… enfim… acho que deu…

frase-pois-o-homem-que-queira-professar-o-bem-por-toda-parte-e-natural-que-se-arruine-entre-tantos-nicolau-maquiavel-106697

Com isso, podemos ver que um profissional é uma pessoa que abraça/exerce uma doutrina… ou seja, ele é alguém que baseia-se em suas atividades de acordo com SUAS CRENÇAS. Ou, pelo menos assim deveria… dessa forma, podemos concluir que, no caso de um professor, que é alguém que ensina, ou, um educador, como costumam chamar, sendo ele profissional (ou não), é alguém que professa suas crenças dentro do magistério… opa, complicou mais… voltemos ao amansa…

e.du.ca.ção
Substantivo feminino.
1.
Ato ou efeito de educar(-se).
2.
Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral do ser humano.
3.
Civilidade, polidez. [Pl.: –ções.]

§ e.du.ca.ci:o.nal adj2g.

Bom, com esse adendo, podemos dizer que um profissional professor é alguém que participa do processo de desenvolvimento intelectual e moral (para se restringir às salas de aula) do ser humano… sendo assim, ele tem participação direta no processo cognitivo de seus alunos. Já falei de cognições em um post sobre a manipulação de mentes anteriormente. E, nesse post, referia-me sobre o processo de conhecer e como ele pode ser manipulado de acordo com os interesses de quem os professa.

Dessa forma, também falava sobre a idoneidade moral de quem ensina como diferencial para o processo cognitivo nos levar à libertação do conhecimento, ou então à escravidão dogmática manipulada.

frase-hipocrita-individuo-que-ao-professar-virtudes-que-nao-respeita-assegura-as-vantagens-de-ambrose-bierce-144061

Onde eu quero chegar?

Ok, vamos lá:

Quero chegar ao ponto onde discute-se muito ultimamente sobre a “democratização da educação”, onde argumenta-se sobre as escolhas do que devem ensinar ou não nas escolas.

E qual é o problema disso? – perguntarão…

Depende da idoneidade moral de quem projeta isso – eu responderei…

E, tratando-se de Brasil, nada do que acontece ultimamente é confiável. Nada. Sendo assim, para não induzi-los em suas conclusões, deixarei, me despedindo, alguns vídeos que julgo ser de EXTREMA IMPORTÂNCIA que sejam assistidos…

Um deles é de um padre filósofo, que explica como pode-se “emburrecer” alunos de acordo com filosofias específicas…

Um ex-agente da KGB que fala sobre as estratégias dos tempos da guerra fria (será?) de como subverter conceitos…

E mais sobre o ex-agente da KGB, onde ele diz que “iludir era o meu trabalho”.

E, por último, um vídeo sobre física quântica que diz que “apenas seres conscientes podem ser observadores (criadores)”

Peço a todos… ou melhor, imploro a todos, pela primeira vez neste blog, que compartilhem esses vídeos (ou o post todo se preferirem) para que este tipo de informação seja levada adiante. E que as pessoas comecem a se perguntar e, sobretudo a questionar o que recebem como “ensino” e como “educação”.

Abraço a todos!

frase-para-ser-feliz-um-homem-tem-que-ser-fiel-a-si-mesmo-a-infidelidade-nao-consiste-em-acreditar-ou-thomas-paine-117671