A auto-prisão…

Qual é o nosso limite de interação?

Até onde nossa participação social pode influenciar na nossa forma de agir ou retroagir… ou mesmo de retroceder… pois é isso que se passa na minha cabeça no momento. À medida que as mídias sociais avançam, a troca de pensamentos (sim, sou um otimista) entre pessoas torna-se um fator de interferência do proceder, para os que costumam analisar e tentar entender essas interações.

O avançar do conhecimento, a metodologia de busca de evolução de cada um determina também como essas relações acontecem. Cada método favorece um tipo de pessoa. E, um método dificilmente serve a todos…

PoliticalC

Indo para a figura de linguagem para explicar a minha linha de pensamento: se você está evoluindo, o caminho que você está percorrendo para tal, não me interessa… interessa apenas se você está evoluindo ou não. Atingir o objetivo pelo caminho mais longo ou mais curto, mais fácil ou mais difícil, mais espinhoso ou mais plano… enfim… tanto faz.

Só que, atualmente, vivemos sob a égide de um “novo politicamente correto”. E, esta nova política, cerceia e tenta aparelhar a forma de pensar de cada um. Há quem diga que isso é “educação social”, mas, por outro lado, há quem pense que isso é lavagem cerebral em massa. Não que eu concorde que as iniquidades que acontecem diariamente devam seguir. Ou seja, eu concordo que a sociedade está doente. Concordo com o diagnóstico. O que eu não concordo é com o método de tratamento. O tal “remédio” que estão administrando, ao meu ver, está mais para eutanásia do que para processo de cura…

frase-o-politicamente-correto-e-uma-peste-que-veio-para-infernizar-a-vida-dos-seres-humanos-sou-marcelo-tas-130538

Estão matando o pensar. Estão matando a “praxis” educativa de cada um… a construção da correção de erros é trocada pela coerção da livre tentativa… ou seja, estão fabricando pessoas com a mente moldada para essas novas regras do politicamente correto. Reativos.

E retirar a pro atividade do pensar é, de certa forma, impor uma prisão mental… a pessoa de bem, que acredita que as tais regras do politicamente correto são incontestáveis, imutáveis, em suas boas vontades, acabam por se auto-aprisionarem no pensamento.

Vivemos tempos de formação de milícias, todas com as regras embaixo do braço, prontas a denunciar os heréticos (ketzers) do pensar para os santos inquisitores que os atirarão às fogueiras santas e purificadoras… onde é que já vimos isso antes?! Pois é… lá na idade média… e há quem realmente acredite que estamos avançando como sociedade…

frase-somos-o-grupo-de-humoristas-mais-politicamente-correto-do-brasil-debochamos-de-todas-as-minorias-bussunda-121405

  • “Ah” – dirão – “mas na idade média haviam barbáries que necessitavam de medidas extremas como essas…”. Bem, eu diria que os tempos atuais também têm absurdos iguaizinhos aos da idade média…

Não entrarei nos méritos de cada barbaridade… se é do tipo físico, como os praticados por militantes do Estado Islâmico, ou, se mental, pelos militantes do politicamente correto atual, que escondem-se atrás de uma “causa maior” para agir de tal forma… os inquisitores agiam em nome da ordem e do bem maior religioso… enquanto, os da nova sociedade, agem em nome do “bem maior”… do ponto onde erradiquem-se os “doentes” do pensar… enfim… ambos consistem em extirpar os entes “doentes” da sociedade proposta…

Pois, por outro lado, há quem tente ver isso de um outro prisma… eu, por exemplo, tento me colocar em um outro patamar… onde eu possa olhar para a situação como um todo, já que se analisarmos pontualmente, poderemos ter conclusões míopes ou deturpadas. Gosto de um frase, que eu não sei de quem é, ou se mesmo brotou em minha mente durante algum devaneio de pensamento (busquei no São Google e não achei nenhuma parecida) e que diz que “uma mentira, se desmembrada, pode virar uma série de mini-verdades”… pois é assim que vejo a coisa atual…

foucault1

Com um monte de mini-verdades, pode-se conduzir pessoas de bem à uma grande cagada cilada. Fascinados por inserções corretas e com discursos belos, são levados a agir de forma manipulada e moldada de acordo com um plano-mestre… e, onde é que já vimos isso antes? Ah sim, na Alemanha de Hitler…

Estou sendo exagerado? Bem, olhem estes discursos aqui então:

Só lutamos por aquilo que amamos, só amamos aquilo que respeitamos e só respeitamos aquilo que conhecemos.
Não se pode viver verdadeiramente e desistir do que dá significado e propósito a uma vida inteira.
Quanto mais você aspirar, mais vai crescer
O Socialismo é a ciência de se lidar com o bem-estar geral

Legais, não? São frases motivacionais, incontestáveis, e, de certa forma, politicamente corretas… concordamos com isso?

Pois bem, e se eu dissesse que essas frases são de Adolf Hitler? Pois são…

Ok, sacudam as cabeças e sigamos com o pensamento…

Em nome do bem, do bom, pode-se levar um monte de gente a cometer desatinos… através da formatação das mentes, Hitler levou uma porrada de gente a pensar que o mal do mundo eram os Judeus… e, hoje em dia há quem adapte essa linha de formatar mentes a outros tipos de pessoas… enfim, instigam a luta de classes justamente para angariar pessoas do “bem”, para a luta contra o “mal”… só resta a cada um saber o que de fato é bem ou mal, do que apenas aparenta ser bom ou mau…

frase-eu-sou-contra-o-politicamente-correto-e-acho-que-e-preciso-transgredir-nas-coisas-que-valem-a-pena-catherine-deneuve-158542

Desempoderar o pensamento é uma forma de enfraquecer pessoas ao ponto em que acreditem que a opinião dos outros é superior às delas… é uma forma de “educação”… imaginem um aluno que levasse um xingamento do professor a toda vez que tentasse formatar um pensamento, seja ele certo ou errado… provavelmente desistiria de tentar formar os seus próprios e ficaria apenas com o que é dito pelo professor… sem contestar… talvez, a um ponto tal onde não contestaria sequer se ele dissesse que 2+2 fossem 5…

Pois é disso que se trata a minha reflexão aqui… a construção social baseada em aprendizado com seus próprios erros… Eu aprendi duras lições da vida com os meus próprios… aprendi a não ser racista, por exemplo, no dia em que ao comentar uma daquelas “piadas”, pude olhar nos olhos de uma colega negra… e, naquele instante, sentir tanta vergonha de mim mesmo, que nunca mais tive coragem de repetir uma outra coisa parecida… e, a ponto de ter desconforto a cada vez que escuto de outros… pois me volta toda aquela cena à mente e a vergonha me toma como se voltasse a acontecer naquele momento… e, acho que bem ou mal, eu evoluí com aquela cagada monstruosa…

“não sei, as coisas sempre foram assim por aqui…”

Esse experimento do vídeo acima, ilustra o porquê a ação sem o entendimento aprofundado, leva à uma situação onde pessoas agem sem sequer saber o porquê o fazem… e é isso que eu tento ressaltar aqui…

Também penso que, à medida que alguns fogem dos grupos de equiparação mental, acabam isolados… vejamos o meu caso: cada vez mais fico à margem das linhas do pensamento atual, onde antagonismos refletem um dualismo que não combina com a minha forma de pensar… e, quando não se faz parte de nenhum dos grupos propostos, o autoflagelo acaba vindo mesmo que fora às nossas vontades… ou apanha-se dos dois grupos, ou, fatalmente, anularemos completamente nossas vontades e ficaremos em um silêncio sepulcral para não mais sermos agredidos (com os macacos)…

Alcançar um patamar de pensamento que não combina com o vigente pode ser libertador por um lado, mas, extremamente isolante por outro… acaba-se só em muitos casos…

É claro que me aproximo de algumas linhas de pensamento… mas, não sou adepto de nenhuma delas… pois as vejo como bibliotecas de consulta, que me municiam com elementos para que eu desenvolva o meu próprio raciocínio e forma de pensar, e não como algo incontestável e que eu deva seguir cegamente por julgar ser algo muito além da minha arrogante tentativa de compreender… enfim, cada um com suas visões da coisa…

o-politicamente-correto-e-uma-manifestacao-obsessiva-e-doentia-da-parte-de-pessoas-que-acham-que-eric-vieira-frase-2229-4857

Apenas noto que no afã de acabar com o errado, erra-se mais ainda… e, certamente eu estou me distanciando cada vez mais dessas vertentes… o que, em nome da boa convivência, ou da preservação de amizades, acaba-se abrindo mão daquilo que é meu de fato, para apenas delegar a razão a outro, não por concordância, mas sim por não estar mais com saco de prosseguir com aquilo… já dizia o sábio que, contra cachorro doido, não se há argumentos… apenas resta subir na árvore e esperá-lo parar de latir…

Mas, acho que tá na hora de parar de delegar… a inteligência ou a iluminação do pensamento não é democrática… ela deve existir, mesmo que seja solitária… uma multidão de gente errada não transforma o errado em certo… o máximo que irão conseguir é silenciar a oposição às suas ideias… e, daí o método será baseado em enquadrar o infeliz em alguma categoria de dissidência social, para, juntamente com a punição prevista, arrancá-lo do convívio dos certos…

Resistamos!

frase-e-aqueles-que-foram-vistos-dancando-foram-julgados-insanos-por-aqueles-que-nao-podiam-escutar-a-friedrich-nietzsche-101448

Alquimia energética…

Algo interessante ocorre durante esse período de realinhamento do pensar que eu passo. É uma fase onde novos pensamentos invadem a mente e confrontam os antigos. Velhas “certezas” são confrontadas a todo instante, e, com isso, todo o meu redor, entra no movimento. Hermes Trimegisto explicava em sua teoria hermética, que as polaridades alternam-se e, assim, regula-se a “temperatura” para uma ideal. Aqui está uma síntese:

Lei da Polaridade

“Tudo é duplo, tudo tem dois pólos, tudo tem o seu oposto. O igual e o desigual são a mesma coisa. Os extremos se tocam. Todas as verdades são meias-verdades. Todos os paradoxos podem ser reconciliados ”

A polaridade revela a dualidade, os opostos representando a chave de poder no sistema hermético. Mais do que isso, os opostos são apenas extremos da mesma coisa. Tudo se torna idêntico em natureza. O pólo positivo + e o negativo da corrente elétrica são uma mera convenção.

O claro e o escuro também são manifestações da luz. A escala musical do som, o duro versus o flexível, o doce versus o salgado. Amor e o ódio são simplesmente manifestações de uma mesma coisa, diferentes graus de um sentimento.

Adoro essa parte onde ele diz que os opostos são extremos de uma mesma coisa… onde o quente e o frio não são paradoxos ou antíteses, mas sim, polaridades extremas de uma mesma coisa… a temperatura… e, regulando-se essas polaridades, podemos chegar a uma “temperatura agradável”, como fazemos ao regular um chuveiro durante o banho. As temperaturas corporais variam, e, o que é quente para um, é morno para outro, enquanto é fervendo para um outro…

"O que está em cima é como o que está embaixo. E o que está embaixo é como o que está em cima"

“O que está em cima é como o que está embaixo. E o que está embaixo é como o que está em cima”

Assim, nesse confronto do mundo dualista que a minha mente tem feito ultimamente, acabamos regulando nosso pensar. E, como qualquer processo de regulação, extrai-se coisas, agregando outras. Nikola Tesla também dizia que vivemos em um mundo eletromagnético vibracional, onde tanto o eletromagnetismo quanto as vibrações são moduladas. Enfim, tudo é energia. Eu acredito nisso. Sem dogmas. Apenas o espiritualismo explicado de forma cartesiana.

Assim, muitos aqui devem ter notado que durante alguma mudança ou outra, amigos afastam-se, à medida que novos surgem. Pois bem, esse é o exemplo dos resultados práticos da regulagem da polaridade energética. Sim, muito além da polaridade mental, temos a polaridade física (sim, o papo é complicado). E, para complicar mais ainda, eu poderia também dizer que uma está interligada à outra. O pensamento é o que regula o físico, pois, é a energia que une e molda a matéria. E, se essa frequência muda, muda-se também o material.

Ok. Está ficando enrolado. Mas, vamos lá… todos sabemos que podemos dizer coisas que não estamos sentido de fato. Ou, expressar alegria, enquanto estamos, na verdade, tristes, por exemplo. Pois, é disso que eu me refiro. Podemos aparentar ser algo, mas, sermos outra coisa por dentro. E, daí é que eu faço o link entre o que estamos “pensando” com o que estamos “sentindo”. Sentir e pensar, igualmente, não são coisas diferentes… são polaridades de uma mesma coisa. Enquanto teimamos em confrontar a razão com a emoção, eu digo que ambas fazem parte de quem somos. E, uma está diretamente ligada à outra. Pessoas que dizem ser “só coração”, são tão míopes quanto as que dizem apenas “usar o cérebro”… pois tanto um quanto o outro são essenciais para o funcionamento do corpo. Um não sobrevivem sem o outro (ok, algum engraçadinho pode aí incluir a piadinha do fiofó, que, se trancar a passagem da coisa, adoece o corpo todo, igualmente).

amor e ódio extremos de uma mesma coisa: o sentimento...

amor e ódio extremos de uma mesma coisa: o sentimento… embora, eu não recomende o método proposto

Minha ideia é falar sobre alinharmos nosso pensamento com nosso sentimento. Aparentarmos aquilo que temos internamente. Ou, simplesmente, emanar aquilo que realmente somos. Sim, emanar. Todo mundo aqui já sentiu uma coisa ruim vinda de alguém com um discurso bonitinho e bem alinhado, certo? Pois bem, é a captação vibracional daquela pessoa que nos faz antagonizar com ela, a despeito do que ela diz, que, pontualmente é bom.

Pois na dialética erística de Arthur Schoppenhauer, existe a “falácia de interesse revestido”, onde diz-se uma coisa, objetivando outra, que está oculta no discurso. Pois bem, temos vários exemplos por aí sobre isso.

...ou "contaminá-los" com a centelha da sanidade, tio Schopps..

…ou “contaminá-los” com a centelha da sanidade, tio Schopps…

Nisso tudo, outro dia, conversando com uma amiga de longa data, também percebi que temos muita gente com bons pensamentos desalinhados. E não há nada de errado com isso, afinal, desconstruir anos de pensamento, deixa tudo realmente fragmentado e confuso. Podendo demorar um pouco a encontrar o novo, oscilando entre uma polaridade e outra. Sim, bipolares não são necessariamente doentes, ao meu ver, eles podem apenas estar demorando muito para alcançarem seus equilíbrios. E, pode ser que o mundo atual não ajude, seu ambiente de trabalho, familiar, etc; não ajude… enfim…

Nesse mesmo papo, falávamos sobre sobre o quão complicado o mundo dualista está atualmente. E, também pensei que ele pode apenas estar passando pelo mesmo processo de polarização que muitos de nós estamos. Dizem que o planeta tem sua frequência, tal qual toda a matéria existente no universo também tem. E, por algum motivo, alterna-se. Se chamaremos isso de mente coletiva, se chamaremos o planeta de Gaia e o trataremos com uma entidade inteligente, fica a critério da crença de cada um. Eu me restrinjo ao cartesiano, que é o alinhamento frequencial.

Ressonância Schumann e as diferenças de frequências no planeta...

Ressonância Schumann e as diferenças de frequências no planeta…

Com tantas mudanças no mundo e nas pessoas, acho que é normal que tenhamos essa esculhambação em que vivemos atualmente. Acho que é parte de um processo maior. Mas, acho importante salientar que cada um de nós, individualmente, busque o próprio equilíbrio. Ele, certamente tem interferência na equalização global. Tal qual uma antena de transmissão, tudo o que emanamos energeticamente, soma-se ao ambiente… e, nesse ambiente, misturando-se as infinitas polaridades, temos o Zeitgeist, ou, o espírito do mundo (ou da época, se preferirem). Pois, esse tal espírito, é a soma de todas as polaridades individuais, que misturam-se, moldam-se e confrontam-se diariamente em nossos instantes. Para modificar a frequência do todo, deve-se modular uma a uma, individualmente, até que o “resíduo” dissidente, seja sobreposto inapelavelmente.

..."conjunto de conhecimento humano", enquanto eu diria que é a soma das energias irradiadas...

…”conjunto de conhecimento humano”, enquanto eu diria que é a soma das energias irradiadas…

E onde eu quero chegar com esse lero-lero doido varrido todo?

Simples. No ponto onde nem todo mundo que aparenta estar doido, necessariamente está. Nem todo irritado, é uma pessoa raivosa, nem todo banana é necessariamente um banana e por aí vai… as vezes, as pessoas só precisam de uma recarga. De uma energia nova para misturar-se às suas. E, deveríamos poder compartilhar as nossas com todos. Pois, à medida que podemos nos modular em algo mais “ameno”, da mesma forma, a outra pessoa também. Seria uma espécie de escambo energético, onde o impaciente recebe um pouco de calma, à medida que repassa um pouco de ação a alguém atolado no marasmo… e, nesse ínterim, a sensação de bem estar, ou de conforto físico, se espalharia ao ponto onde essa onda de insanidade desse uma boa diminuída, pelo menos…

Não! Nada disso! Eu vou ficar aqui me polarizando com uma toupeira enquanto isso...

Não! Nada disso! Eu vou ficar aqui me polarizando com uma toupeira enquanto isso…

Pois, polarizemo-nos! Misturemos nossas essências às dos outros. Tenhamos a simples troca acessível a todos! Ainda mais que ela é, analisando de outra forma, uma forma de “comércio”, onde todos lucram e ninguém dá o calote… e mesmo que a pessoa seja aquele tipo “vampiro astral”, que apenas suga a energia, chegará o dia em que ela estará tão “contaminada” da energia que ela consome, que, inapelavelmente ela seja tomada por essa energia. Basta que todos saibamos nos descontaminar daquilo que, porventura, tenha vindo “misturado” na troca e que não nos faz bem. Quase como em transfusões de sangue, só que, nesse caso, o filtro é o nosso pensar…

Fico por aqui, porque me deu uma canseira esse post… mas, nada que eu não recarregue ao ver um sorriso ou dois por aí… Abraços!

Bingo!

Bingo!