O anti(a)

Estamos em tempos dualistas. Ou se é preto, ou branco; gay ou hétero; macho ou fêmea; petista ou peessedebista; coxinha ou pão com mortadela; esquerda ou direita… enfim, um saco!

Pois, novamente, me pego observando um padrão nisso tudo. Sim, tento o tempo todo dissecar coisas para ver se enxergo um padrão interno. Um algoritmo, programação, ou coisa que o valha.

Pois nesses comportamentos conflitantes, geralmente encontramos a figura do “anti”. Que, ao final, pode também ser encarada como uma figura “anta” (sempre lembrando que o meu sobrenome “Ketzer” é “Herege” em alemão, ou seja, eu sou “anti(a)” de nascença).

Não, o “anta” não é nenhuma pegadinha para pessoas que alteram títulos, incluindo este sufixo, embora, não esteja descartada a possibilidade.

Essa figura é o antagonista, o do contra, a via oposta. Mas, a pergunta é: o porquê ocupa-se esse papel… e, daí resulta se a criatura é um anti ou uma anta…

Se é contra por convicção própria, beleza. Se é por convicção alheia… bem… dá para imaginar em qual categoria eu o encaixaria.

Pois então. Como de costume, iniciemos no amansa (o de hoje é o Michaelis versão digital da UOL):

an.ta.go.nis.ta
adj. e s., m. e f. Que, ou o que é oposto ou contrário a alguém ou alguma coisa.

an.ta.go.nis.mo
s. m. 1. Estado de oposição, velada ou declarada, entre duas pessoas, duas nações ou duas idéias. 2. Rivalidade, hostilidade.

an.ta.gô.ni.co
adj. Contrário, oposto.

an.ta
s. f. Zool. Ungulado da ordem dos Perissodátilos, da família dos Tapirídeos, um dos maiores animais da fauna brasileira; tapir.

Ok. A parte do anta, foi uma inserção de merda piadista para identificar o prefixo das expressões, incluindo-os na proposição inicial de “anti” ou “anta”. Embora, no dicionário informal, o termo anta refira-se à burro mesmo. Ih, piorou. Deixa pra lá. Seguimos.

frase-a-gente-procura-mostrar-se-indiferente-a-opiniao-publica-mas-nao-e-assim-tao-facil-quando-william-somerset-maugham-136535

Fazer oposição é direito de qualquer um. É um dever, eu diria. Ainda mais quando a causa dessa oposição é algo corrosivo e danoso. Mas, a oposição apenas como “anti”, ou, como uma simples força contrária na tentativa de anular a outra força, pode ser apenas um dos tantos estratagemas de controle ou desordem de mentes.

Explico. Exemplificando, é claro… ou tentando.

A antimatéria. É um conceito da física, buscado desde sempre, e, com o conceito complicado. Quer ver?

Antimatéria na física de partículas e na química quântica, é a extensão do conceito de antipartícula da matéria, por meio de que a antimatéria é composta de antipartículas da mesma maneira que matéria normal está composta das partículas.

Por exemplo, anti-elétrons (pósitrons, elétrons com carga positiva), antiprótons (prótons com carga negativa) e antinêutrons (com carga nula como os nêutrons) poderiam dar forma a antiátomos da mesma maneira que elétrons, prótons e nêutrons dão forma a átomos normais da matéria.

Fonte: Wikipedia

Entenderam? Nem eu… mas, filosoficamente, usa-se o conceito como algo a anular a “matéria”… ou, enquanto alguns acreditam que a antimatéria não deixa de ser matéria, há quem ache que ela é apenas a antítese da matéria… ou, polaridades inversas da matéria em questão. Por isso eu prefiro filosofar ao invés de calcular.

frase-cada-historia-e-acompanhada-por-um-numero-indeterminado-de-anti-historias-cada-uma-das-quais-claude-levi-strauss-122430

Uso esse exemplo para tentar abordar os pensamentos meramente “anulantes” do contrário, do que este pensamento ser um construtivista, de fato.

Como?

Bem, vamos lá… isso vai ser complicado.

Quando o ser humano começou a compreender o bem, automaticamente, teve que ter ideia do que era o mal. Para a criação de Deus, criou-se um asmodeus, ou, o diabo. Não se sabe necessariamente se é uma entidade de fato, uma egrégora ou uma construção mental coletiva. Mas, na crendice popular, ele exerce o papel antagônico. Para mim, reflete mais o conflito interno humano, que distancia-se do conceito divino de Deus, na concepção judaico-cristã, do que qualquer outra coisa… mas, ainda assim, há quem creia em sua existência e debite suas falhas à sua ação direta.

Também, em todo e qualquer sistema, teremos uma figura antagônica, com equivalências de poderes e que, servirá de contra-argumento, de relativismo e, sobretudo, com a intenção de atirar de volta no debate forças proporcionalmente inversas com a intenção de anular o que vem do outro lado. Ou, a antimatéria mental.

frase-alguem-me-disse-mas-os-beatles-eram-anti-materialistas-isso-e-um-enorme-mito-o-john-e-eu-paul-mccartney-133086

E é assim que eu vejo muito do que acontece hoje em dia.

Arthur Schopenhauer em sua dialética erística, escreveu os estratagemas para se ganhar um debate sem precisar ter razão. E, nesse compêndio, ele nos ensina que dá para tergiversar e atacar ideias sem, necessariamente aperfeiçoá-las. Resumindo, detone o debate e seus argumentos e saia vitorioso.

Nos tempos da guerra fria (que voltou à cena “vintage” do mundo político), falava-se muito na informação e na contrainformação. Falava-se nos serviços secretos de espionagem, na CIA x KGB, que inseriam conceitos antagônicos nas mentes para deturpar os entendimentos. Para toda informação, surgia uma contrainformação que negava, ou, colocava aquela pulga atrás da orelha do cidadão e, no mínimo, os mantinha de mãos atadas sem saber bem o que fazer. Pois, à época, não existia a internet… e, o acesso à informação e ao conhecimento estava em livros e bibliotecas… mas, o fato de hoje ter muito mais informação disponível, também, em contrapartida, faz com que se tenha muito mais contrainformação. Pensamentos contrários em tempo integral. Para Marx, temos Mises, para Gramsci, temos que ter todo o resto… afinal, ele “apenas” ensina a ruir toda a civilização ocidental judaico-cristã. E, há quem vincule isso à contrainformação dos tempos da KGB, que, nas palestras do desertor Yuri Bezmenov, ensinou que o seu trabalho era subverter pensamentos. Um a um. Geração a geração. E, desse conceito, o mesmo Gramsci utiliza o termo: “idiota-útil”, para aqueles que se “formaram no programa”. O que, da mesma forma, comprova minha teoria de que dá para ser formado e versado em algo, e, mesmo assim, aumentar o seu idiotismo. Inteligência não está vinculado ao tamanho do seu saber, mas sim, como você o aplica e o que se beneficia disso. Se te traz liberdade mental ou te aprisiona.

frase-meu-socialismo-nada-tem-a-ver-com-marxismo-marxismo-e-anti-propriedade-o-socialismo-verdadeiro-adolf-hitler-119333

E, é justamente aí o meu ponto-chave do post de hoje. O que essas linhas antagônicas nos proporcionam? Elas nos libertam ao conflitarem-se ou apenas nos enclausuram em um conflito pré-estabelecido para que percamos o foco para o que realmente acontece ao redor?

Será um “bait”, ou isca, para que pensemos que o mundo está restrito àquilo.

Retoco para dizer que é bem diferente o uso da contra-argumentação no caso da antítese a uma tese. E, do processo dentre as duas, extraia-se a síntese. Nisso eu acredito. Acho válido. Mas, como sabemos e já andei dizendo anteriormente, nem todos tem idoneidade moral em seus argumentos. Alguns não querem a síntese. Usam a contra-argumentação, ou, a antimatéria mental para que justamente evite-se isso.

Mas, ao contrário dos tempos atuais, que são dualistas, eu ainda acredito na filosofia da “corda de violão”, onde se apertar demais, arrebenta, e, se afrouxar demais, não dá o tom certo… então, não se trata de matéria ou antimatéria, mas, algo mais na linha “Teoria Hermética”, onde Hermes Trismegistos dizia que quente e frio não são antagônicos entre si, mas, apenas polaridades de uma mesma coisa. A temperatura.

frase-a-harmonia-da-sociedade-como-da-natureza-consiste-e-depende-da-variedade-e-antagonismo-dos-seus-marques-de-marica-108045

Anúncios

Preocupação ou pré-ocupação?

Como de costume, me pego testando sonoridades de expressões e cruzando-as com outras. Foi o caso onde ouvi, ainda essa semana, que alguém estava se preocupando com outro, e, em minha mente, montei a frase como “pré-ocupando”. Mas, será que isso faz sentido?

Enfim, vejamos.

Como de costume, ao amansa!!! (dicionário usado “Mini Aurélio”, versão digital)

//

pre:o.cu.pa.ção
Substantivo feminino.
1.
Ato ou efeito de preocupar(-se).
2.
Ideia fixa e antecipada a um fato, e que perturba a mente.
3.
Inquietação proveniente dela. [Pl.: –ções.]

“Ideia fixa e antecipada a um fato, e que perturba a mente. Interessante…

//

o.cu.par
Verbo transitivo direto.
1.
Estar ou ficar na posse de.
2.
Tomar posse de.
3.
Tomar (um lugar) à força; invadir, conquistar.
4.
Habitar.
5.
Preencher: A arte ocupa a sua vida.
6.
Empregar, aproveitar.
7.
Dar trabalho ou ocupação a.
8.
Tomar (tempo); levar.

Verbo transitivo direto e indireto.

9.
Ocupar (6 e 7).

Verbo pronominal.

10.
Dedicar-se a; cuidar de: ocupar-se com (ou de) leituras.
11.
Tratar. [C.: 1]

§ o.cu.pan.te adj2g. s2g.

Hmm. Saliento aqui alguns pontos: tomar posse; Tomar à força; Habitar; Preencher (a vida); dedicar-se.

frase-a-razao-pela-qual-a-preocupacao-mata-mais-pessoas-do-que-o-trabalho-e-que-as-pessoas-robert-frost-147515

Enfim, acho que temos alguns itens a pensar a respeito. A preocupação, à medida que pode parecer um ato de amor ou de cuidado com a pessoa, pode, da mesma forma, ser uma perturbação da mente da pessoa. Ou seja, ela é que está com o problema, e, não necessariamente, você.

A inquietação da mente da pessoa que se preocupa em relação a outra, na verdade, pode ser a expressão de que essa pessoa preocupada, necessita de uma ocupação. Ou, invertendo, ela está arrumando uma pré-ocupação para ela, usando você como desculpa.

Certamente aquela mãe ou avó que passou a vida dizendo “leva o casaquinho que tá frio”, tem a melhor das intenções de que o neto não se gripe, mas, igualmente, é ela que está sofrendo em sua mente ao presumir que a criatura vá ficar doente com qualquer ventinho.

frase-as-aguias-deixam-que-os-passarinhos-cantem-sem-nenhuma-preocupacao-com-o-seu-trinado-alegre-william-shakespeare-154261

Também podemos dizer que, muitas das preocupações são, em certo nível, induções de pensamento de uma forma que a pessoa te diga o que ela quer que você faça, mas, sem que você fique irritado com ela, pois, como já dissemos, a preocupação presume carinho e cuidado. E, com certeza, há quem faça isso como disfarce para a manipulação mesmo. Na cara de pau.

A intenção é a base de tudo. Embora, Kant já dizia em sua ética deontológica, que as ações são boas ou más em si mesmas. E, também dizia que podemos fazer coisas ruins com boas intenções, ou, vice-versa.

Sim sim, podemos fazer coisas ruins com boas intenções. Basta sugerir que algum político que faça benfeitorias (ou populismos), mesmo que, sob alguma ótica, pareça caridade, por outra, ele beneficia-se disso, à medida em que quanto mais gente dependendo de sua caridade, mais eleitores ele terá. Ou, pior ainda, seu sucesso depende da desventura alheia.

frase-onde-ha-inveja-e-preocupacao-egoistica-ai-estao-as-desordens-e-toda-a-sorte-de-mas-accoes-biblia-155236

Alguns “profetas do apocalipse” também são um exemplo de preocupados que encontramos por aí toda hora. Lançam suas sentenças, esperando, ao final, para o fatídico “eu te avisei”. Pois esse pessoal, em um certo nível, acha que está fazendo um bem aos outros, inspirar-lhes conceitos “prudentes”, para que coloquemos freios às sanhas de fazer algo. Não confundamos isso com quem adverte apenas. Advertências são observações pontuais sobre algo que ocorre, o que é bem diferente.

frase-a-preocupacao-e-uma-forma-de-medo-e-todas-as-formas-de-medo-produzem-fadiga-o-homem-que-bertrand-russell-158353

Com essa frase de Bertrand Russell, acho que meu objetivo do post foi alcançado. E, além do mais, também creio que o medo, nada mais é do que uma projeção. Ele não existe de fato. Ele se manifesta através de algo que imaginamos. Há quem acredite que é instinto de auto preservação, e, em nível biológico darwiniano, até podemos concordar com isso. Mas, para seres que atingiram o status de “racionais”, podemos também analisarmos as projeções que nossas mentes fazem. O que é de fato algo que deve ser levado em conta, ou, o que é apenas um devaneio?

Preocupar-se, ou, sentir medo que algo aconteça a alguém ou a si mesmo, é um sinal. E, esse sinal é que deve ser analisado. Tal qual a tosse, que não é uma doença em si mesma, mas, o sintoma de algo. Pode variar de simples resfriado à uma tuberculose, não sabemos, mas, ainda assim, ela deve ser investigada, analisada e tratada. Nunca temida. Preocupar-se com a tosse adianta algo em seu tratamento? Enfim, chega de figuras de linguagem por hoje. HEHEHE.

Ocupemo-nos mais. Preocupemo-nos menos. Ou, pré-ocupemo-nos com algo, não com alguém.

frase-a-preocupacao-deveria-levar-nos-a-acao-e-nao-a-depressao-karen-horney-160149

Ponto de vista…

Em tempos atuais, onde estamos praticamente divididos, em castas antagônicas geralmente, o “ponto de vista” quase sempre é invocado durante um debate, para salientar que a pessoa, ou expõe sua visão, ou, encarcera-se nela.

Na semântica, quando ela vem no início ou meio da frase, é porque a pessoa ainda está interessada em debater. Por exemplo: “no meu ponto de vista, isso é…”; já, se vier ao final da frase, ela está praticamente encerrando o assunto e te dizendo que fica com o que ela pensa… “bom, mas este é o meu ponto de vista…”.

Sendo assim, para variar, me peguei refletindo sobre a frase e seus significados intrínsecos…  a pessoa está tendo algum benefício ou não, ao ficar com o seu ponto de vista?

images (22)

Depende… eu diria… (sempre o bom e velho caminho do meio)

Se a capacidade de visão da mesma for ampla, sim… se, for limitada, deturpada ou nenhuma… bem… aí não é bom negócio…

Como assim? – dirão.

Simples. No ponto de vista de um daltônico, o vermelho é verde… e, não por acaso, uso o vermelho e o verde… pois tem cunho político esse post, inclusive.

No ponto de vista de alguém que vê “humanismo” em ações governamentais cretinas, aquilo é coisa boa… já, para outros, a cretinice ao final, não justifica tal “humanismo”, pois trata-se de mero populismo.

frase-se-ha-algum-segredo-do-sucesso-consiste-na-habilidade-de-aprender-o-ponto-de-vista-do-outro-e-ver-henry-ford-126421

Sempre ouvimos que há de se respeitar as opiniões alheias… mas, isso são tempos áureos lá da minha criação dos anos 80… já que nasci em 75 e, começo a me lembrar de algo da minha educação de 1980 para cima…

Hoje temos o “politicamente correto”, que molda visões… ou seja, a nossa visão também pode ser induzida. Para alguém que nunca viu um canguru na vida (e não tem acesso algum a informação, é claro), se um gaiato resolver dizer que aquilo é um cão saltador, pode virar verdade para o coitado burro desavisado.

Ora, se todos temos um ponto de vista, e, ele nos é soberano, partimos do princípio, então, que nós somos os detentores do conhecimento. Mas, não é bem assim…

Nosso conhecimento é limitado, mas, sempre em expansão (para aqueles que assim permitem). Da mesma forma em que podemos passá-lo adiante, também podemos receber de outros sem que tenhamos prejuízo… certo?

Não… se o que recebemos está poluído ou é mal posto, nosso entendimento pode ser moldado à mercê daquele que nos chega com a “novidade” do conhecer… e, como tenho aprendido ultimamente, muito pior do que não saber nada, é saber coisas erradas ou nocivas.

Bem, mesmo um mau exemplo é algo a se considerar e nos ajuda… desde que, saibamos discernir o que é um bom de um mau exemplo… você acha que sabe?

Eu tenho o meu ponto de vista… e é com ele que eu me baseio em tudo o que faço… mas, certamente, ele está em constante mudança… dia a dia… fato a fato… a cada leitura, a cada visão de algo, a cada análise feita sobre uma situação… e, NO MEU PONTO DE VISTA, esse é o ideal… (complicado, não?!)

tudo depende do ponto de vista

Que cada um tenha a segurança de apoiar-se em sua visão das coisas… pois é sobre ela que o mundo se desenvolverá a seus olhos… literalmente. Então, tenha certeza de que o vermelho não é verde, ou, se for, que você tenha a consciência de que o seu daltonismo, apesar de algo chato, não vai te impedir de ver as coisas… apenas de um modo diferente.

Não há problema na diferença. Não para mim. O problema está mesmo quando alguém tenta me convencer disso… eu não quero ser convencido de nada… eu prefiro amadurecer o entendimento, levando o tempo que for, para que eu conclua isso… e não pegue o atalho de alguém que me enfia aquilo como verdade única e imutável. Pode até ser que eu conclua isso… mas, que seja minha conclusão.

Ponto de vista2

Tomemos cuidado com os proselitistas… eles estão aí, o tempo todo, tentando moldar a sua visão para que seja parecida com a que eles querem que seja. Com discursos rebuscados, tecnicamente embasados e, sobretudo, com algum interesse revestido. Até aí, nada de mais… afinal, todos temos algum interesse revestido em nossos discursos… eu mesmo tenho um ao escrever esse blog e esses textos todos. Só que, o meu interesse é levar dúvida às mentes de todos. É instigar que pensemos mais. Que investiguemos. Que nos libertemos das amarras mentais. Enfim, não estou aqui profissionalmente e, tampouco, pedindo algum tipo de compensação de alguém para tal (mas, caso alguém queira depositar na minha conta, mando o número por email). Meu intuito é fazer com que cada vez menos tenhamos que depender de “salvadores da pátria” ou “biduzões” de plantão. Salvem-se a si mesmos, com suas próprias forças…

acid_picdump_88_60

 

Vejo que alguns pensadores dizem que o ideal é tentarmos entender o ponto de visa alheio… bem, eu diria que mais do que isso, o ideal seria termos a capacidade de empatia com o outro… saber como ele se sente acerca de algo… que é bem diferente de apenas tentar entender como ele vê algo…

Quando eu era criança, eu imaginava coisas do tipo: – será que isso que eu chamo de bola, para outra pessoa, pode ser um quadrado? E, em alguma realidade paralela, todos os quadrados sejam redondos? – (sim, eu já era doido desde pequeno)

Pois a física quântica está aí lutando para provar que o que gera a matéria e cria formas, é a nossa observação… então, de certa forma, pode ser que eu não seja lá tão doido assim… e, apenas mais um aquariano tentando ver à frente de seu tempo…

Também sei que a visão cansa com o passar dos anos e, olhos cansados acabam precisando de óculos… mas, a visão a que me refiro, a mental, essa quando mais velha, mais ampla fica… pensemos nisso… ou, simplesmente, pensemos…

frase-enxergar-o-mundo-como-se-fosse-um-sonho-e-um-bom-ponto-de-vista-quando-tem-um-pesadelo-voce-yamamoto-tsunetomo-136729frase-somente-quem-tem-a-vocacao-da-politica-tera-certeza-de-nao-desmoronar-quando-o-mundo-do-seu-max-weber-131182frase-e-por-favor-nao-confunda-o-meu-ponto-de-vista-com-cinismo-os-cinicos-de-verdade-sao-aqueles-george-carlin-102010frase-suas-atitudes-sao-responsaveis-pelo-seu-destino-de-acordo-com-o-ponto-de-vista-que-voce-luiz-gasparetto-106087frase-tres-quartos-das-miserias-e-mal-entendidos-do-mundo-desaparecerao-se-nos-colocarmos-no-lugar-de-mahatma-gandhi-130347frase-o-mais-perigoso-ponto-de-vista-o-que-eu-faco-neste-momento-e-tao-importante-para-tudo-o-que-friedrich-nietzsche-151679