Se conselho fosse bom…

Esse é o dito popular: “Se conselho fosse bom, a gente não dava, vendia…”, expressando que, além de tudo, somos mercenários…

Mas, certamente há algo a ser analisado nisso, afinal, todo dito popular, perpetrado, acaba virando “inconsciente coletivo”, ou, mais na moda, o Zeitgeist. Inconsciente que, queira ou não, influencia pessoas direta ou indiretamente.

Bããããã

Bããããã

Sim, isso, isso, isso…

Pois certamente há várias interpretações sobre aconselhamentos. E, podem ir desde elucidações até a induções… a gama é bem vasta…

Para não perder o costume, vamos ao amansa:

con.se.lho (ê)
Substantivo masculino.
1.Advertência que se emite; aviso.
2.Corpo consultivo e/ou deliberativo que se reúne para tratar de assunto de interesse público ou particular: conselho de ministros, conselho de diretores de banco.

Ok, não ajudou lá grandes coisas… vamos adiante:

a.con.se.lhar
Verbo transitivo direto.
Verbo transitivo direto e indireto.
1.Dar conselho (a).
2.Indicar a vantagem de; recomendar.
Verbo pronominal.
3.Pedir ou tomar conselho.
§ a.con.se.lha.dor (ô) adj. sm.

Hmmmm, temos uma ponta aí: indicar vantagem de; recomendar…

Pois é… aí entra a pergunta fatídica: VANTAGEM PARA QUEM, CARA PÁLIDA?

Heeeein?

Heeeein?

Claro, esse conselho pode, na verdade, ser vantajoso para quem está te aconselhando, por exemplo. Afinal, ele pode ser usado, sordidamente, como item de manipulação, por exemplo.

Alguém pode se passar por um amigo altruísta, cheio de boas intenções, apenas querendo o seu bem, mas, ainda assim, te influenciar a cometer um desatino, ou, simplesmente, acabar fazendo algo que o favoreça lá na frente… vai saber?

Certamente que nem todos os aconselhadores (diferentemente de conselheiros, que, alguns até ganham para isso) são mal intencionados, alguns também, são simplesmente ignorantes…

Tempoooo: Ignorantes não é xingamento, é apenas a expressão para alguém que simplesmente desconhece alguma coisa. Exemplificando: minha vó (que Deus a tenha) tentando me dar conselhos sobre física quântica. Por mais bem intencionada que ela fosse, nada que viesse dali me ajudaria grandes coisas…

Pois então, esse é o outro prisma disso. Alguém também pode te influenciar a fazer uma enorme cagada (com o perdão do meu francês) com a melhor das intenções. Basta, para isso, apenas que ela tente se aventurar em águas desconhecidas.

A vaidade humana nos leva a fingir propriedade em assuntos que desconhecemos, as vezes, só para não pagarmos de burros. Então, o bom e velho enrolês entra em campo, mesmo sem sentirmos, o que pode também acontecer em conversas pessoais e aconselhamentos.

Além disso, todo o nosso sistema de crenças e conhecimentos é usado nessa hora (a do conselho), podendo vir desde dogmas pueris, ultrapassados, castradores; passando por criações rígidas, vindas de décadas passadas (ou não), em um mundo muitíssissíssimo (momento Chaves de novo) diferente do atual. E, nem por isso, a intenção da pessoa que tenta nos influenciar é ruim. Essa pessoa pode muito te querer bem e acha, do fundo de seu coração, que está lhe ajudando a solucionar problemas. Mas, pode, as vezes, estar incluindo novos aos antigos problemas…

O que alguém que teve infância complicada e difícil pode (no caso dessa pessoa não ter mudado a forma de pensar com os anos, claro) passar a outra que não sejam conselhos repletos de restrições, sobre como o mundo é complicado, difícil, cruel, desonesto e blablabla…?

E que conselhos uma amiga recém traída por um parceiro pode dar a uma que inicia um namoro?

Que conselhos alguém que foi vítima de um complô empresarial, ou, a famosa “puxada de tapete”, pode passar a alguém que inicia a carreira?

O que um pai traído ou traidor no casamento pode dizer aos filhos sobre família e relacionamentos futuros?

Daí, acabam-se formando “sentenças” do tipo: “homem é tudo igual”, “quanto mais conheço os homens, mais admiro os animais”, e por aí vai…

Pois não há nada errado em alguém que realmente esteja emputecido indignado em proferi-las, o problema mesmo é essa pessoa influenciar as demais a pensarem que isso é uma regra, por exemplo…

Pois esse tipo de coisa cria uma “aura” social que, sinceramente, ajuda pouco ou quase nada. Inserir mais desconfiança, covardia, raivas e outros tipos de maus sentimentos nas mentes alheias é um desserviço que se presta por uma esperança, sequer, de um mundo melhor.

Está ruim para você? Pois pode ser que não esteja para outros… passar suas neuras adiante não vai erradicá-las de si mesmo, apenas multiplicá-las e trazer mais gente ao seu padrão miseravelmente depressivo.

No extremo oposto, o otimismo exagerado também pode não ser a melhor coisa do mundo… “vai que não dá nada…”, “na pior das hipóteses…”…

Pois esse “na pior das hipóteses” é o caso clássico da nossa empáfia em querer achar que sabemos o que irá acontecer… sejamos humildes, amigos, afinal, mal e porcamente temos respostas aos nossos problemas, imagina aos dos outros?

O que fazer então?

Bem, no meu caso, costumo, quando indagado, a dizer o que fiz em situações semelhantes (caso as tenha vivenciado), ou então, dizer simplesmente que não saberia dizer, pois nunca vivi tal situação. É claro, sempre que possível tenta-se amenizar o sofrimento alheio, afinal, existem pessoas em situações complicadas que procuram outras para receber algo que alivie seus anseios. E, lembremo-nos, ao aconselharmos, tornamo-nos corresponsáveis…

Estaria eu aqui pregando o fim dos aconselhamentos? É claro que não, afinal, ouvir um desabafo é algo bonito de se fazer. O que eu acho mesmo, e aí é opinião minha, é que deveríamos auxiliar as pessoas a entender suas situações… a verem suas vidas sob outro prisma… a pensarem por si só o que pode estar acontecendo com elas. Respostas prontas, são limitações nossas que, mesmo sem querer, repassamos adiante… então, deixemos cada um chegar às suas próprias conclusões. Liberdade de pensamento, somada ao conhecimento, é o que REALMENTE resolve as situações.

...e da próxima vez, vá aconselhar a sua vovozinha!!!

…e da próxima vez, vá aconselhar a sua vovozinha!!!

Anúncios

Um pensamento sobre “Se conselho fosse bom…

  1. Pingback: De quem é a culpa afinal? | segura o rojão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s