Cultura e tradição

Alguns povos “explicam” atos ignóbeis como sendo algo “cultural” ou então por “tradição” desses povos. Pois bem, culpar os termos não exime esses povos dessas cagadas, eu diria.

cultura
cul.tu.ra
sf (lat cultura) 1 Ação, efeito, arte ou maneira de cultivar a terra ou certas plantas. 2 Terreno cultivado. 3 Biol Propagação de microrganismos ou cultivação de tecido vivo em um meio nutritivo preparado. 4 Biol Produto de tal cultivação. 5 Biol O meio junto com o material cultivado. 6 Utilização industrial de certas produções naturais. 7 Aplicação do espírito a uma coisa; estudo. 8 Desenvolvimento que, porcuidados assíduos, se dá às faculdades naturais. 9 Desenvolvimento intelectual.10 Adiantamento, civilização. 11 Apuro, esmero, elegância. 12V culteranismo. 13 Sociol Sistema de idéias, conhecimentos, técnicas e artefatos, de padrões de comportamento e atitudes que caracteriza uma determinada sociedade. 14 Antrop Estado ou estágio do desenvolvimento cultural de um povo ou período, caracterizado pelo conjunto das obras, instalações e objetos criados pelo homem desse povo ou período; conteúdo social.15 Arqueol Conjunto de remanescentes recorrentes, como artefatos, tipos de casas, métodos de sepultamento e outros testemunhos de um modo de vida que diferenciam um grupo de sítios arqueológicos. C. alternativa, Agr: a que se faz alternando. C. esgotante: a que esteriliza ou depaupera o solo. C. física: desenvolvimento metódico do organismo humano por meio da ginástica e dos desportos. C. extensiva: a que explora a riqueza do solo sem cuidar da conservação deste, precisando, assim, de amplos territórios. C. geral: a constituída de conhecimentos básicos indispensáveis para o entendimento de qualquer ramo do saber humano. C. intensiva: a que acumula otrabalhoe o capital num terreno relativamente pequeno, conservando-lhe a fertilidade.

tradição
tra.di.ção
sf (lat traditione) 1 Ato de transmitir ou entregar. 2Comunicação ou transmissão de notícias, composições literárias, doutrinas, ritos, costumes, feita de pais para filhos no decorrer dos tempos ao sucederem-se as gerações. 3Notícia de um feito antigo transmitida desse modo. 4Doutrinas, costumes etc., conservados num povo por transmissão de pais para filhos. 5 Conjunto de usos, idéias e valores morais transmitidos de geração em geração. 6Memória, recordação, símbolo. 7 Dir Ação pela qual se faz a entrega real ou fictícia da coisa que é objeto de um contrato.8 Dir Modo derivado de adquirir o domínio da coisa móvel, pela sua transferência, do poder do alienante para o do adquirente.9 Rel catól A palavra de Deus não escrita, transmitida de viva voz à Igreja, e vinda de geração em geração até hoje, pela voz da Igreja, nos seus ensinamentos, nas suas orações e na sua disciplina. T. de disciplina: a que tem relação com certas disciplinas e ritos como a missa, os sacramentos, as orações, as práticas puramente disciplinares. T. de fé: V tradição doutrinal. T. doutrinal: tradição em que se baseia a religião e os dogmas. T. escrita: testemunho que, sobre um ponto importante, confirmam os livros sucessivamente publicados. T.oral: a que só consta pelo que se diz, não estando consignada em documentos escritos. Tradições nacionais: os grandes fatos da história de um país.

Na citação da “cultura”, chamo a atenção para o item 1o: “Adiantamento, civilização”, enquanto em “tradição”, ressalto a parte que diz: “Doutrinas, costumes etc., conservados num povo por transmissão de pais para filhos.”

Pois bem, daí posso partir dizendo que, conclusivamente, para não me alongar muito, para ser considerado cultura, deve-se haver adiantamento, civilização desses atos. O que, por exemplo, um rodeio, uma tourada, farra do boi, rinhas de galo e coisas do gênero não se aplicam. Já, tentar justificar pela tradição, é simplesmente dizer que a tal “coisa” é repetidamente ensinada de pai para filhos, ou, dentro das comunidades e assim ensinada. Não há nada que corrobore com a tal ação, ela apenas repassa a responsabilidade para um grupo de pessoas que “aprendeu” a achar isso legal por algum motivo.

Bem amigos (como diria Galvão Bueno), o negócio é o seguinte. Está na hora de acordar. Papai ensinou que amarrar bombinhas no rabo do cachorro é legal para ver o bicho desesperado? Pois bem, o papai era uma anta, aprenda isso e não repita.

Maus exemplos, independentemente se são dados durante cerimônias religiosas, rodeios, bailes funk ou dentro de casa não podem mais reverberar. Devemos entender que transmitir a nossos filhos esses maus ensinos é o que perpetra toda a porcaria do mundo. É nossa obrigação, pelo menos se não pretendemos mudar o mundo, não piorá-lo. E, desta forma, nada mais justo do que passarmos a nossos filhos toda e qualquer burrada que viemos a cometer para ver se não haverá eco futuro. Poderá parecer hipocrisia? Claro que sim, e, talvez daí que digam que se educa com exemplos e não com palavras. Sinto muito em dizer, mas, somos SIM responsáveis por perpetrar maus hábitos naqueles que nos cercam através de nossos exemplos. Cabe a nós, da mesma forma, mudar tal situação por bons exemplos. Simples assim (embora de simples não tenha nada).

Embora algumas tradições acabem sem tanta necessidade de urgência…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s